O vereador da cidade de Soledade, Netinho Policarpo (PROS), revelou que tem provas suficientes que incriminam a sua irmã de ter planejado seu sequestro, ocorrido no final do ano de 2016 e supostamente tramar a sua morte.

O parlamentar explica que no dia 27 de dezembro de 2016, poucos dias antes da sua posse na Câmara de Vereadores da cidade, foi sequestrado e em todo o momento em que esteve em poder dos criminosos recebeu ordens para que renunciasse do mandato.

Ainda segundo ele, sua principal suspeita recaía sobre o cunhado, que era seu suplente e após a prisão da sua irmã na Operação Narcos, com a perícia no seu aparelho telefônico, foram encontradas conversas entre ela e um presidíario do PB1 supostamente tramando a morte de Netinho para que seu marido assumisse.

A irmã do vereador se encontra em prisão domiciliar após passar alguns meses presa por suposto envolvimento em uma organização criminosa da região.

"A minha principal suspeita sempre foi do meu suplente, que por sinal é meu cunhado, esposo da minha irmã. Infelizmente tenho essa irmã envolvida no tráfico na cidade. Ela já foi presa, em 2017, durante a Operação Narcos”, explicou o vereador.

Netinho ainda acrescentou que já peticionou as novas provas no processo, que corre em segredo de Justiça.

PB Agora

Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Quatro pessoas são baleadas em uma noite, na Grande João Pessoa

Quatro pessoas ficaram baleadas na Grande João Pessoa durante tentativas de assaltos e homicídios em locais diferentes. Os tiroteios aconteceram nos bairros do Rangel, na Ilha do Bispo e no…

Concessão de medidas protetivas aumenta mais de 13% na PB

A concessão de medidas protetivas na Paraíba registrou um aumento de 13,6% no período de um mês, segundo dados levantados pela Gerência de Pesquisas Estatísticas do Tribunal de Justiça da…