A Paraíba o tempo todo  |
PUBLICIDADE

Parecer do Gaeco defende concessão de prisão domiciliar e uso de tornozeleira eletrônica pelo Padre Egídio

O Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba emitiu um parecer a favor da concessão de prisão domiciliar ao padre Egídio Carvalho, acusado de desvios milionários no hospital Padre Zé.

No documento, os promotores do Gaeco destacaram a análise preliminar da documentação apresentada pela defesa, ressaltando a existência de um quadro de saúde que demanda cuidados que não podem ser plenamente prestados dentro da unidade prisional onde o acusado está detido.

Egídio foi internado no último sábado (13) após passar mal e ser submetido a uma cirurgia em um hospital particular. Ele está sob custódia preventiva desde novembro do ano passado na Penitenciária Especial do Valentina.

O parecer do Gaeco recomenda a aplicação cumulativa de medidas cautelares, incluindo o uso de tornozeleira eletrônica, a proibição de sair de sua residência sem autorização judicial, o impedimento de manter contato com pessoas que não sejam seus advogados ou familiares que residam no mesmo imóvel, além da proibição de acesso ou frequência a estabelecimentos vinculados à ASA e ao Instituto São José.

PB Agora

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe
      PUBLICIDADE
      ×