Por pbagora.com.br

Além da Operação Calvário, a Polícia Federal na Paraíba também deflagrou, na manhã desta terça-feira (30), a  terceira fase da Operação Recidiva, cujo com o objetivo é desarticular organização criminosa responsável por fraudar, reiteradamente, licitações públicas em diversos municípios da Paraíba, desviando recursos públicos em favor próprio e de terceiros.

 

A operação é realizada em conjunto com o Ministério Público Federal e a Controladoria-Geral da União (CGU).

 

Ao total 55 Policiais Federais e 8 Auditores da CGU, realizaram o cumprimento de 12 (doze) mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados (João Pessoa, Patos e Salgado de São Félix), bem como nas Prefeituras dos Municípios de Mogeiro, Emas, Patos e Bayeux,  bem como na sede de uma construtora em Mogeiro e em uma casa lotérica localizada no município de Salgado de São Félix.

As ordem foram expedidas pela 14ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Patos.

Segundo ação do MPF que desencadeou a terceira fase da Recidiva, a partir de ordem judicial expedida pela 14ª Vara Federal de Patos, dados bancários, fiscais e telefônicos de investigados comprovam o envolvimento da Ícone Construções e Empreendimentos com esquema de fraudes em licitações, da mesma forma de fatos anteriores que envolveram as empresas Millenium, M&M, MELF e EMN. As investigações apontam que o esquema criminoso gerou prejuízo aos cofres públicos em um montante que pode ultrapassar a casa de 5 milhões de reais, relativos a fraudes na execução de obras de construção civil.

Os crimes apurados nesta operação são os de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa, fraude a licitação, entre outros. 

De acordo com a investigação, a Ícone Construções venceu licitações em Patos, Emas, Bayeux e Mogeiro. Destes, os dois primeiros municípios estão no centro de esquema de corrupção investigado nas operações Desumanidade e Recidiva. O verdadeiro dono da Ícone, Hermano Nóbrega de Lima, tem condenação (mais de 15 anos de reclusão) por envolvimento na Operação Carta Marcada. Ele está solto e é reincidente na prática do crime, assim como outros envolvidos.

O nome da operação Recidiva significa: reaparecimento, recaída, reincidência, fazendo alusão a prática reiterada do cometimento dos mesmos crimes e do mesmo modus operandi pelos investigados, que já foram objeto de ações semelhantes.

Será concedida entrevista coletiva conjunta entre Polícia Federal, Ministério Público Federal e Controladoria-Geral da União, às 10h, na sede da Polícia Federal, localizada no Bairro de Intermares, Cabedelo/PB para dar detalhes sobre a operação.

 

Redação

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Notícias relacionadas

Durante arrastão homem fica ferido a tiro no bairro José Américo, em João Pessoa

Durante um arrastão na noite de ontem (02), no bairro José Américo, em João Pessoa, um homem ficou ferido após ser baleado. Testemunhas informaram que criminosos realizaram um arrastão no…

População saqueia carga de cerveja após carreta tombar, no Sertão

Uma carreta que transportava cerveja capotou na cidade de Catolé do Rocha, no Sertão do Estado e a população saqueou a carga. De acordo com as informações o motorista ficou…