Até R$ 50 mil. Esse é o valor que podia chegar o preço de um celular para ser vendido a um presidiário detido dentro da Penitencária de Segurança Máxima de João Pessoa, o PB1. A informação foi revelada na tarde desta quarta-feira (19), durane entrevista coletiva.

O Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado do Ministério Público Estado da Paraíba (Gaeco/MPP), a Delegacia Especializada no Combate ao Crime Organizado (Deccor) e a Gerência de Inteligência e Segurança Orgânica da Secretaria de Administração Penitenciária (Gisop/Seap) foi quem descobriram o esquema através da Operação 'Black Friday', que visava reprimir a comercialização de aparelhos celulares feita por uma organização criminosa composta por agentes penitenciários e populares, no PB1.

De acordo com o titular da Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado, Allan Murilo Terruel, pelo menos quatro pessoas de uma mesma família são investigadas por facilitar a venda desses aparelhos.

“Um dos agentes tinha um relacionamento com uma pessoa de fora e essa pessoa movimentou a família para colaborar na engenharia que eles programaram, de recebimento nos valores negociados com os presos. Monitoramos e descobrimos que essa pessoa tinha uma irmã e essa irmã tinha um relacionamento com o agente, daí em seguida monitoramos toda a vida dele. Hoje foi marcada a entrega de R$ 4 mil reais, nós flagramos e logo depois da entrega as pessoas receberam voz de prisão, que culminou nas prisões dos agentes”, destacou.

Apesar da polícia garantir que o episódio desta quarta-feira (19) não tem relação com a fuga de apenados do PB-1, registrada na semana passada, o delegado Allan informou que a apuração sobre o crime teve início após a prisão de uma das pessoas que teria tido ligação com o ataque a unidade prisional.

A OPERAÇÃO

Foram autuados em flagrante cinco pessoas, entre agentes penitenciários e populares. Os crimes sobre os quais pesam indícios sobre os investigados são: corrupção ativa e passiva (artigos 317 e 333 do Código Penal), lavagem ou ocultação de ativos financeiros (artigo 1° da Lei 9.613/1998) e participação em organização criminosa (artigo 2° da Lei 12.850/2013).

A operação 'Black Friday' é uma ação controlada (medida especial de investigação) realizada para coletar provas que demonstraram que os aparelhos celulares eram comercializados por diversos agentes penitenciários aos presos.

 

Redação

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Delegados federais divulgam carta em defesa da autonomia da PF

Delegados da Polícia Federal divulgaram, nesta sexta-feira (23/8), uma carta em que defendem medidas legislativas para garantir a autonomia da corporação, evitando interferências políticas. O texto é uma resposta ao…

PM prende suspeitos de roubo, homicídio e com arma de fogo na região metropolitana de JP

A Polícia Militar intensificou as ações, no início da tarde deste sábado (24), na região metropolitana de João Pessoa, e prendeu quatro suspeitos que estavam com arma de fogo,  réplica de…