Uma mulher foi mantida em cárcere privado por quase dois meses em João Pessoa. O acusado de praticar o crime é um homem que se apresentava como pastor evangélico. Ele foi detido, na tarde desta quinta-feira (06). Além do cárcere, a vítima também informou que era vítima de agressões físicas.

A polícia só teve conhecimento do caso após denúncia de vizinhos. Uma equipe foi até o local e comprovou o fato.

A delegada Cláudia Germana Santos, responsável pelo caso, relatou que a mulher havia conhecido o acusado há cerca de quatro meses pela internet e, há aproximadamente dois meses passou a residir na mesma casa do pastor, com a promessa de casamento, mas a partir daí o martírio teria sido iniciado. “Ele a espancava muito, cuspia sobre ela, impedia que ela saísse de casa sozinha e ainda reteve o celular dela “, contou a delegada.

Tudo teria começado por conta da venda de um veículo. O suposto pastor teria tentado obrigar a vítima a vender o carro que tinha com a justificativa de que seria para fundar uma igreja, mas como a mulher se negou, as agressões se acentuaram.

O homem foi preso no apartamento da vítima e não reagiu à prisão. Ele foi autuado por prática de crimes de cárcere privado, lesão corporal, injúria, previstos no Código Penal Brasileiro e Lei Maria da Penha.

A audiência de custódia do acusado deve acontecer nesta sexta-feira (06).

PB Agora

 


Veja como adquirir a certificação digital para pessoa física sem burocracia

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Gaeco cumpre mandados de busca e apreensão na Prefeitura de Alhandra

Uma grande operação do GAECO, da Receita Estadual, da Polícia Civil e do Tribunal de Contas do Estado foi deflagrada uma operação na manhã desta sexta-feira (10), contra fraude em…

Suspeitos de aplicar golpes contra clientes de supermercado na grande JP são presos

A Polícia Militar prendeu três suspeitos de aplicar golpes contra clientes de um supermercado, na cidade de Santa Rita. O trio, que era formado por dois homens de 39 e…