Os líderes foram condenados pelo crime de invasão e absolvidos dos crimes de roubo, dano e incêndio 

A Câmara Criminal, por unanimidade, estabeleceu a pena de um ano e nove meses de detenção, em regime aberto, aos apelantes João Rabelo de Sá Neto, vereador da Comarca de Sousa-PB, Cícera Soares Timóteo e Renan Cassimiro, por liderar a invasão do Movimento dos Sem-Terra (MST) à Fazenda Santana. O fato ocorreu na madrugada do dia 08 de março de 2012, com mais de 200 participantes. A decisão aconteceu durante a sessão de julgamento realizada nesta terça-feira (18). 

A relatoria da Apelação Criminal nº 0001452-88.2012.815.0371 foi do juiz convocado Aluizio Bezerra Filho, que deu provimento parcial ao recurso para manter o crime de invasão de estabelecimento industrial, comercial ou agrícola (artigo 202 do Código Penal)   e absolver os apelantes dos delitos dispostos no artigo 157, § 2º, incisos I e II (roubo majorado),no artigo 163, parágrafo único, I e II (dano qualificado) e no artigo 250, § 1º, II, “e” (incêndio). “Os crimes de roubo, incêndio e dano estão absorvidos pelo tipo penal do artigo 202, o que conduz a absolvição dos acusados pelos demais delitos”, concluiu.

No 1º Grau, os recorrentes foram condenados a uma pena de 12 e quatro meses de reclusão e três anos e seis meses de detenção em regime inicialmente fechado, além de 807 dias-multa.

O relator determinou o pagamento de 185 dias-multa, à razão de 1/30 do salário mínimo vigente à época dos fatos e substituiu a pena privativa, por duas restritivas de direito, consistente na limitação de fim de semana e prestação de serviço à comunidade ou entidade pública, a ser indicada pelo Juízo das Execuções Penais. 

Segundo os autos, a invasão foi à sede da Empresa Santana Agroindustrial Ltda., um estabelecimento agrícola, e parte dos invasores pertencem ao Assentamento Nova Vida II, em Aparecida-PB. 

A defesa dos apelantes alegou que a invasão à Fazenda Santana, localizada às margens da BR 230, no KM 450, dentro do perímetro irrigado das Várzeas de Sousa, foi um protesto contra o uso de veneno pela Fazenda, causando intoxicação às famílias assentadas nas proximidades da empresa. Aduziu, preliminarmente, a inépcia da denúncia, sob o argumento de não descrever, de forma individualizada, a conduta criminosa de cada agente. Pleiteou, ao final, a absolvição e, caso esse não fosse o entendimento, a redução da reprimenda.

O julgador afirmou que a inépcia da denúncia não está configurada, pois preenche os requisitos do artigo 41 do Código Processual Penal, permitindo a compreensão dos fatos e possibilitando o exercício do direito de defesa. “Descreve de maneira clara e objetiva, os fatos criminosos, com todas as suas circunstâncias”, explicou Aluizio Bezerra Filho. 

No mérito, o relator enfatizou que a autoria e materialidade delitiva estavam comprovadas, com base no laudo de exame técnico-pericial e depoimentos de testemunhas, inclusive do vigilante da fazenda.

Artigo 202 do Código Penal: “Invadir ou ocupar estabelecimento industrial, comercial ou agrícola, com o intuito de impedir ou embaraçar o curso normal do trabalho, ou com o mesmo fim danificar o estabelecimento ou as coisas nele existentes ou delas dispor: Pena – reclusão, de um a três anos, e multa”.

 

TJPB

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Trio Forró Society anima o Forró na Vila do Artesão, neste sábado, em CG

A Agência Municipal de Desenvolvimento (Amde), confirmou a atração do Forró na Vila para este sábado (19). O tradicional arrasta pé gratuito da Vila do Artesão será comandado pelo trio…

Julian revela como ‘driblou’ articulação que visava eleger Eduardo Bolsonaro líder do PSL na Câmara

Um áudio divulgado pelo portal R7 nesta quinta-feira (17) mostrou o deputado federal paraibano Julian Lemos (PSL) revelando como ‘driblou’ a articulação do presidente Jair Bolsonaro (PSL) para alçar um…