Por pbagora.com.br

O desembargador José Ricardo Porto deferiu parcialmente pedido feito pelo Município de Campina Grande no sentido de suspender os efeitos da sentença proferida no Mandado de Segurança nº 0813418-77.2020.8.15.0001, no tocante a declaração de nulidade da Dispensa Emergencial 086/2020, que objetivava a execução de obras na cobertura do mercado central, que desabou parcialmente em 14 de novembro de 2020.

Alega o Município que ao anular a Dispensa Emergencial 086/2020, a sentença terminou por impedir a edilidade de dar seguimento à realização dos serviços urgentes de reparos e contenção dos abalos da estrutura física da Feira Central de Campina Grande, fato este que coloca em risco de uma só vez a saúde e a segurança da imensa população que frequenta o local.

No exame do caso, o desembargador José Ricardo Porto observou que “restou evidenciado o sério risco de comprometimento da segurança e vida dos usuários daquele espaço público, sendo razoável, e até mesmo imperativo, que hajam intervenções de contenção para evitar algo pior”.

O desembargador acrescentou que pelo contrato firmado a obra deveria ser concluída no prazo de 180 dias. “Assim sendo, tenho por evidenciada a verossimilhança quanto ao sobrestamento dos efeitos da sentença no tocante a revogação da Dispensa Emergencial 086/2020, em razão das peculiaridades ora delineadas”, ressaltou.

 

Gecom – TJPB

Notícias relacionadas

“Todo esforço para acelerar a vacinação é necessário” diz João

O governador João Azevêdo (Cidadania) revelou nesta quarta-feira (24) que a Paraíba já está articulando junto com outros Estados a compra de vacinas da Covid-19 diretamente com os laboratórios. O…

Empresas de transportes coletivos são notificadas em João Pessoa

As empresas de transporte coletivo de João Pessoa têm até cinco dias, para apresentarem um plano de sanitização com protocolos de higiene para serem adotados dentro dos ônibus. A exigência…