O suplente de vereador Carlos Antônio de Barros, o Carlão do Cristo, está com a posse sub judice. Marcílio HBE também reivindica a vaga na Câmara de João Pessoa e enquanto isso, a Casa, que está em recesso, mantém apenas 26 parlamentares.

O Pleno do Tribunal de Justiça da Paraíba vai apreciar o caso. A decisão é decorrente do incidente de inconstitucionalidade suscitado, de ofício, pelo desembargador Leandro dos Santos, relator do Agravo de Instrumento nº 0800670-50.2019.8.15.0000, durante julgamento nesta terça-feira (4), na Primeira Câmara Cível.

A posse está sub judice desde que o Juízo da 3ª Vara da Fazenda Pública da Comarca da Capital determinou que a Câmara Municipal de João Pessoa suspendesse o ato, e, caso já tivesse sido realizado, que o mesmo fosse cancelado, o que de fato aconteceu. O argumento usado na decisão do juiz de 1º Grau foi de que o suplente Carlão não alcançou a cláusula mínima de desempenho nas eleições municipais de 2016 (Cláusula de Barreira), conforme preceitua o artigo 108 do Código Eleitoral, com a redação dada pela Lei nº 13.165/2015, conhecida como a minirreforma eleitoral.

Baseado nisso, Marcílio HBE afirmou que de acordo com a vacância do cargo, para assumir a titularidade, ele participou de uma coligação que teve a maior média de todas do pleito de 2016 e que esse é o pré-requisito para assumir.

“Já existem decisões por parte da Justiça da 3ª vara da fazenda pública, foi julgado, o agravo mantido e agora aguarda o Pleno do Tribunal”, disse, acrescentando que aguarda a convocação.

Carlão afirmou que espera que o processo seja julgado com celeridade e pediu ‘justiça’. “O Ministério Público já deu parecer favorável a gente, e esperamos que se faça justiça. Por lei e por dirito é de Carlão do Cristo, a justiça está equivocada [em manter a inconstitucionalidade], mas espero que no pleno reveja esse erro absurdo”, disse.

A decisão de 1º Grau foi agravada pela defesa do suplente Carlão, que invocou o parágrafo único do artigo 112 do Código Eleitoral, com redação dada pela Lei nº 13.165/2015, cujo texto está assim redigido: “Na definição dos suplentes da representação partidária, não há exigência de votação nominal mínima prevista pelo artigo 108”. Por tal dispositivo, a defesa entende que a ‘Cláusula de Barreira’ não se aplica aos suplentes, motivo pelo qual a posse deveria ser mantida, mesmo não tendo alcançado o percentual de 10% dos votos referentes ao quociente eleitoral das eleições de 2016.

Na análise do caso, o desembargador Leandro dos Santos entendeu que o parágrafo único do artigo 112 do Código Eleitoral não está em consonância com a Constituição Federal, fato que o levou a suscitar, de ofício, o incidente de inconstitucionalidade. “O parágrafo único do artigo 112 do CE me parece não se harmonizar com a Constituição Federal, no que afeta ao sistema representativo da nossa democracia. Ao meu sentir, há uma aparente ofensa, a um só tempo, o citado parágrafo único do artigo primeiro (CF), assim como ao próprio sistema proporcional, previsto no artigo 45, caput, da Carta Magna, também aplicado aos parlamentares mirins”, ressaltou.

O magistrado afirmou, ainda, ser plenamente possível que juízes e tribunais reconheçam, de ofício, a inconstitucionalidade de alguma norma. “Por esta razão, estou suscitando, de ofício, o presente incidente de inconstitucionalidade, por entender ser imprescindível para a correta resolução do mérito, assentar se o dispositivo do artigo 112, parágrafo único, do Código Eleitoral encontra ressonância na Constituição Federal de 1988”, destacou o desembargador Leandro dos Santos.

Com isso, o incidente de inconstitucionalidade será instaurado e julgado pelo Pleno do Tribunal de Justiça, a fim de decidir se o artigo 112, parágrafo único, do Código Eleitoral, está em harmonia ou não com a Constituição Federal.

As informações são do portal Paraíba.com/Política&Etc.

 

Redação

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

São Paulo conquista vitória suada sobre o Avaí e desbanca Timão do G4

O São Paulo voltou a vencer no Campeonato Brasileiro. Neste domingo, o time comandado por Fernando Diniz recebeu o Avaí, vice-lanterna da competição, no estádio do Morumbi, e acabou fazendo…

Análise: Seria a paralisação dos motoristas de transportes coletivos da Capital um locaute disfarçado?

Não podemos afirmar, de forma categórica, mas esta paralisação do setor de transportes públicos, em João Pessoa, tem contornos de locaute disfarçado ou seja: com apoio de entidade representativa dos…