A Paraíba o tempo todo  |

Parque Tecnológico: jornalista parabeniza João Azevêdo, mas critica modelo de gestão apresentado por secretário

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

O jornalista Walter Santos, na tarde desta sexta-feira (15) criticou o modelo de gestão aprsentado pelo secretário de Estado da Educação, Cláudio Furtado. Em publicação feita no site WSCOM, Walter elogiou a implantação do Pólo, mas chamou de “erro inconcebível” o fato de, segundo ele, Furtado ignorar o mercado, a sociedade e o ecossistema locais, para seguir o modelo já utilizado em cidades como Recife, em Pernambuco, ou até mesmo Barcelona, na Espanha.

Confira texto na íntegra:

Parque Tecnológico: Secretário Cláudio Furtado opta por soluções de Recife-PE e Barcelona-ESP e ignora expertises construídas em João Pessoa sem ouvir mercado, instituições e sociedade organizada; começou errado

O governador da paraíba, João Azevêdo, inaugurou uma nova fase extraordinária na perspectiva do Centro Histórico de João Pessoa ao anunciar o novo Polo Tecnológico “Horizontes de Inovação” voltado a se instalar no antigo colégio Nossa Senhora das Neves gerando grande incremento no Centro Histórico da Capital paraibana, entretanto, mesmo com a grandiosidade dos investimentos na ordem de R$ 20 milhões sua equipe liderada pelo Secretário de Educação, Cláudio Furtado, optou por instruções e modelagem a partir de Recife ignorando completamente o ecossistema local com forte experiência comprovada.

É um erro inconcebível ignorar primeiramente o ecossistema local, sem ignorar a importância de Saboia. Começou errado.

No lançamento extraordinário do Parque Tecnológico, Cláudio Furtado preferiu evidenciar e valorizar, por exemplo, o atual superintendente do Sebrae/PE, ex-presidente do Porto Digital, Saboia, bem como o dirigente de Polo em Barcelona, ignorando a existência de projeto elaborado pelo CEEI – Professor Lynaldo Cavalcanti com todos os levantamentos sobre a área a ser ocupada, além do mais não dialogou abertamente com a Sucessu, Paraíba Digital, Instituto Lynaldo Cavalcanti, nem nenhuma entidade cultural.

– O governo adotou uma importante e extraordinária decisão política, mas sua assessoria resolveu dialogar com o mercado externo ignorando a potencialidade dos vários segmentos de João Pessoa sem a qual não haverá êxito além dos R$ 20 milhões disponíveis pelo governo – disseram representantes do setor produtivo.

PARA QUE SERVE A HISTÓRIA
Há 22 anos, diversas personalidades apostam e se dedicam a investir em inovações tecnológicas, culturais, habitacionais e de economia criativa na defesa da ocupação de um Polo Digital no Centro Histórico de João Pessoa. Existe Projeto aprovado e bem concebido por engenheiros e arquitetos, mas Dr. Cláudio preferiu Recife.

Nesta sexta-feira, por exemplo, o professor Claudio Furtado resolveu não convidar os empreendedores de anos no CH e isto não pegou bem. Preferiu Recife e Barcelona.

Mas, seja como for, sem o ecossistema da aldeia nada avançará.

Voltaremos ao tema.

 

por Walter Santos

 

PB Agora

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      4
      Compartilhe