Por pbagora.com.br

Desde o final de outubro que a Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor monitora os preços de 340 produtos em 16 lojas da Capital dentro da Operação Black Friday, que ocorre neste dia 23, em todo Brasil. A fiscalização do Procon-JP fará plantão até às 20h nesta sexta-feira para atender aos consumidores durante a realização da mega promoção.

A Operação Black Friday, que está sendo realizada nas lojas de João Pessoa, principalmente nas grandes redes, fará comparativos dos preços coletados antes e durante a mega promoção para verificar se houve irregularidades, a exemplo de propaganda enganosa e ‘maquiagem’ de preços. “Há um mês estamos de olho nos preços. Quem tentar se aproveitar do momento para enganar o consumidor, sofrerá as penalidades da lei”, avisou Helton Renê, secretário do Procon-JP.

Helton Renê explica que, de posse dos preços coletados ao longo do mês, a equipe de fiscalização do Procon-JP vai poder detectar as irregularidades. “Com esse material em mãos, nossa equipe vai poder ajudar ao consumidor a tirar dúvidas em tempo real e passará toda a sexta-feira conferindo os preços dos produtos promocionais nas lojas. Estaremos de plantão das oito da manhã às oito da noite”, frisou.

Produtos – Dentre os 340 itens constantes na relação de monitoramento do Procon-JP estão os produtos mais procurados pelo consumidor no Black Friday como aparelhos de celular e de TV, fogões, refrigeradores, microondas, máquinas de lavar, computadores, liquidificador, ar-condicionado, ventilador, ferro de passar, churrasqueiras, bebidas, etc.

Irregularidades – O titular do Procon-JP informa que, quando se trata de grandes promoções, os principais problemas encontrados geralmente são publicidade enganosa ou abusiva e a chamada ‘maquiagem’ nos preços, que é quando o produto tem o preço majorado antes da data prevista para a promoção e ‘rebaixado’ durante o dia do grande desconto.

Consumidor é fiscal – O secretário acrescenta que há, ainda, irregularidades como a diferenciação nos preços expostos nas prateleiras e no código de barras na hora do pagamento. “São várias situações em que nossa equipe deve ficar atenta, mas o consumidor deve fazer a sua parte denunciando quando achar que está sendo lesado. Na verdade, ele é o nosso principal fiscal”, complementou Renê.

Atendimentos do Procon-JP:

Sede – segunda a sexta-feira: 8h às 14h na sede situada na Avenida D. Pedro I, nº 473, Tambiá

MP-Procon – segunda a sexta-feira: 8h às 17h na sede situada no Parque Solon de Lucena, Lagoa, nº 300, Centro

Uninassau: segunda a sexta-feira das 8h às 17h, no Núcleo de Práticas Jurídicas da Faculdade Uninassau, na av. Amazonas, 173, Bairro dos Estados

Telefones: 3214-3040, 3214-3042, 3214-3046, 2107-5925 (Uninassau) e 0800-083-2015.

 

Assessoria

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Notícias relacionadas

STJ estende a Gilberto Carneiro e mais dois réus da Calvário benefício concecido a RC

A ministra Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), suspendeu monocraticamente o recolhimento domiciliar noturno aos fins de semana e nos feriados de três investigados pela operação Calvário. Os…

Condomínios na PB são obrigados a comunicar violência doméstica contra crianças e idosos

O governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania), sancionou a lei 11.880/2021, de autoria do deputado Chió (Rede), que determina a comunicação, por parte de condomínios residenciais, de violência doméstica contra…