Em texto publicado em suas redes sociais, o presidente estadual do PSOL da Paraíba, Tárcio Teixeira, criticou o que classificou de oportunismo eleitoral, adotado pela vereadora de João Pessoa, Eliza Virgínia (PP) ao misturar religião com política.

Segundo o dirigente, a parlamentar erra feio por querer atacar o samba enredo da escola Mangueira, que abordou a temática do “Jesus da Gente”.

CONFIRA

Delírio, Desconhecimento ou Puro Oportunismo de Eliza Virgínia?

Mais uma vez ela, a Vereadora que não gosta do Cristo da Manjedoura, a Eliza Virgínia. Para alguns a parlamentar é a contradição em pessoa; para outros uma louca; ainda tem quem diga que ela seja uma fundamentalista conhecedora do que defende. Não a vejo como nenhuma das opções, mas como uma parlamentar de carreira que sabe o que faz, optou por um nicho eleitoral, “carregou nas tintas” com a força tomada por Bolsonaro, percebe a queda de popularidade do seu líder, especialmente em João Pessoa, e sabe que não será fácil fazer o caminho de volta para seu cantinho antes tido como certo na Câmara Municipal de João Pessoa.

A Parlamentar erra feio ao atacar o samba enredo da Mangueira, pois ao fazer isso ela ataca o Cristo da Manjedoura, ou não seria este o Cristo que no enredo diz: “Nasci de peito aberto, de punho cerrado / Meu pai carpinteiro, desempregado / Minha mãe é Maria das Dores Brasil”? O Cristo histórico é a cara do nosso povo, é a nossa cara!

Os/as compositores/as antecedem os ataques de Eliza, já sabiam que iriam “inventar mil pecados”, pelo visto não faz parte das orações da parlamentar calmar ao “Senhor, tenha piedade / Olhai para a terra / Veja quanta maldade”. Pois é, ser contra o “Jesus da gente” é não respeitar o “Rosto negro, sangue índio, corpo de mulher”, algo que vemos regularmente nas declarações e propostas de Eliza Virgínia.

Quem é contra o Jesus que enxuga “o suor de quem desce e sobe ladeira”, contra o Jesus que se encontra “no amor que não encontra fronteira”, contra o Jesus que “Procura por mim nas fileiras contra a opressão”, não entendeu absolutamente nada sobre o amor de Cristo, sobre o amor incondicional. Quem é contra este Jesus é responsável por novamente cravejar seu corpo, são “Os profetas da intolerância / Sem saber que a esperança / Brilha mais na escuridão”.

No Carnaval, em todo Brasil, o que ouvimos foi o “O desabafo sincopado da cidade” e o “ressurgi pro cordão da liberdade”. Foi esse clamor das ruas que, diferente do ano passado, o bolsonarismo não conseguiu apagar chamando a atenção como fez com o “golden shower” em 2019.

Eliza, além de seguir seu líder e questionar o “Jesus da gente”, que somos o povo diverso e rico em nossa cultura, ela ameaça atacar a economia, quer impedir a destinação de recursos para o Carnaval, é não entender absolutamente nada sobre a cadeia produtiva da maior expressão da cultura popular brasileira, os milhões de empregos, de renda, de impostos, de alegria. Em contra partida a mesma parlamentar é defensora da liberação de impostos para as Igrejas, contradição? Não, puro oportunismo eleitoral!

Viva a Cultura Popular!

Viva o Carnaval!

Viva o “Jesus da Gente”!

Tárcio Teixeira

Presidente do PSOL/PB

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Com ajuda de bombeiros, mulher dá à luz a caminho da maternidade

Com a ajuda de bombeiros, uma mulher deu à luz a um menino, neste domingo, quando estava a caminho da maternidade Frei Damião, em João Pessoa. A grávida começou a…

Acidente entre Catingueira e Olho d’Água deixa quatro mortos e um ferido

Quatro pessoas morreram e uma ficou ferida em um grave acidente registrado por volta das 16h, deste domingo, entre os municípios de Catingueira e Olho d’Água, no sertão da Paraíba.…