Projeto que visa prevenir acidentes e até mesmo desabamentos de prédios em João Pessoa é vetado pelo prefeito Luciano Cartaxo. O Vereador Bruno Farias, junto com Crea e CAU/PB, se opõe ao veto que alega inconstitucionalidade, ilegalidade e contrariedade ao interesse público.

O referido projeto dispõe sobre a obrigatoriedade de inspeção predial, manutenção preventiva e periódica das edificações e equipamentos públicos e privados no âmbito.

A norma revoga a Lei 11.945/2010 com vistas a modernizar a legislação sobre a manutenção preventiva e periódica das edificações, destacando-se o aumento da amplitude das inspeções a edificações e também a obras inconclusas, incompletas, irregulares, em estado de abandono ou ocupação.

“O prefeito assinou uma tragédia anunciada. É imprescindível uma inspeção periódica, pois muitas das edificações de grande porte na cidade já alcançaram meio século e essa é uma forma de evitar sinistros”, disse Bruno Farias.

Na fundamentação do veto, o prefeito justificou vício de competência, alegando que o PL trata de organização administrativa e serviços públicos, e, portanto, seria competência privativa do prefeito (art. 5º, IX, Lei Orgânica). E ainda que a competência de atribuição de realizar vistoria em imóveis é da Diretoria de Controle Urbano – SEPLAN.

“Tal justificativa não merece prosperar em razão da disposição na Lei Maior Local que prevê, em seu art. 5º das competências Privativas Do Município, e não do Prefeito, sendo, portanto, competência da Câmara Municipal tratar sobre matérias de competência do Município (art. 13, LOM)”, explica o advogado, membro da comissão de Direito urbanístico da OAB/PB, Welison Araújo Silveira.

Para Bruno, uma norma que visa proporcionar mais segurança para a sociedade, evitando desastres como desabamento e até mesmo morte de pessoas, não pode ser considerada desnecessária ou redundante.

O Crea recebeu com bastante surpresa e desapontamento a notícia do veto. “Consideramos que a aprovação desse dispositivo legal é indispensável para assegurar a segurança da população. O Crea tem alertado há anos sobre os riscos da falta de manutenção predial e as tragédias que têm acontecido no Brasil deixam clara essa urgência. Esperamos que a Paraíba não seja obrigada a tomar atitudes emergenciais e retardatárias. Temos, através desse PL e com a contribuição de várias entidades, uma oportunidade ímpar de agir preventivamente, resguardando a incolumidade pública. Torcemos para que a gestão municipal repense o seu entendimento, aprovando esse PL que é de interesse de todos os cidadãos da nossa capital”, disse em nota.

O PL 568/2018, de autoria de Tibério Limeira, conta com o apoio do vereador Bruno Farias e de entidades ligadas à construção civil, como o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Paraíba (CREA-PB), o Conselho Regional de Arquitetura e Urbanismo da Paraíba (CAU/PB), a Academia Paraibana de Engenharia, o Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia da Paraíba (IBAPE-PB) e o Sindicato da Indústria da Construção Civil de João Pessoa (SINDUSCON-JP).

Ascom

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Chuvas podem gerar preocupações para os foliões na Paraíba

O carnaval começou e os foliões só pensam em curtir os dias de momo, mas a diversão pode ter um atrapalhador é que a Agência Executiva de Gestão das Águas…

Cinco academias são notificadas por atividades irregulares na PB

Cinco academias foram notificadas por apresentarem atividades irregulares, em Guarabira, no Brejo paraibano. As notificações foram feitas pelo Conselho Regional de Educação Física da 10ª Região – Paraíba (CREF10/PB) e…