O Iphaep, atendendo sugestão do governador  João  Azevedo,  suspendeu o embargo  e deu novo prazo à Prefeitura  para providenciar  as licenças  que a lei exige. A decisão  foi comunicada através  desta nota:

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba suspendeu neste sábado (1) o embargo imposto às obras de intervenção da prefeitura municipal de João Pessoa no Porto do Capim, área devidamente tombada pela instituição.

O IPHAEP atendeu a uma recomendação do governador João Azevedo. Ele recomendou ao órgão novo prazo para análise de documentos necessários à garantia da licença obrigatória para intervenções em áreas de preservação sob a responsabilidade do IPHAEP.

Ao analisar pessoalmente o relatório elaborado pelo IPHAEP, o governador constatouu que a administração municipal ainda não possui as licenças necessárias para execução do projeto na área.

Com a suspensão do embargo, a prefeitura de João Pessoa está livre para dar continuidade ao cronograma de intervenção na área, dentro do novo prazo estabelecido, após análise e deferimento.

CRONOLOGIA – Por meio de um Termo de Notificação, número 2503-01/2019, de 25 de março deste ano, o IPHAEP solicitou à Prefeitura apresentação da documentação e projetos para análise do corpo técnico. No dia 4 de abril, após vistoria técnica, foi constatado ausência de autorização prévia para execução da obra.

Apesar disso, a prefeitura de João Pessoa iniciou a demolição de casas no Porto do Capim, cuja localização se encontra inserida dentro do perímetro do Centro Histórico de João Pessoa, sem a prévia autorização por parte do IPHAEP. Uma comissão formada por 16 entidades associativas e movimentos sociais que atuam em defesa dos moradores da Vila Nassau/Porto do Capim provocou formalmente, por meio de ofício, o IPHAEP e ainda a SUDEMA e o Ministério Público Federal quanto à irregularidade da ação por parte da gestão municipal, especialmente relativo à demolição das casas situadas no local.

O Porto do Capim é área de preservação histórico, artístico e cultural da Capital paraibana desde 1982, pelo Decreto Estadual 9.484/82, e ratificado pelo Decreto Estadual 25.138/2004. É dever do IPHAEP cuidar da preservação e promoção das áreas tombadas.

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Operação constata irregularidades em transportadoras na Grande JP

As empresas transportadoras, localizadas na Grande João Pessoa, foram alvo da 5ª etapa da operação ‘Gestores em Ação’ da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-PB). Durante a operação, 15 equipes…

Assembleia vai ao Sertão debater ações de sustentabilidade na região

A Frente Parlamentar de Ciência, Tecnologia e Inovação da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) realizou, nesta sexta-feira (16), audiência pública, no auditório da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), no…