Por pbagora.com.br

Apesar de serem considerados os elementos mais frágeis no Direito, as testemunhas serão as provas primordiais da investigação sobre denúncia de pedofilia envolvendo o prefeito de São Bento, Jaci.


A informação é da própria promotora responsável pelo caso, Geovana Patrícia Queiroz Galvão. “Esta investigação se dará essencialmente pela oitiva de testemunhas. Se precisarmos de algo mais, solicitaremos”, declarou a promotora.


Ela não fixou prazo para fim da apuração nem quis adiantar se já possui elementos que sinalizem para o crime. “Mas garanto que estamos envidando todos os esforços para concluirmos o caso o mais rápido possível”, disse Geovana, que já ouviu o prefeito, a menor citada na denúncia e ainda os pais da menina.


O caso foi tornado público após veiculação de matéria no PB Agora no dia 30 de janeiro, quando o portal entrou no ar. A denúncia foi feita ao Ministério Público por uma testemunha anônima, que revelou suposta relação do prefeito com uma menina de onze anos.

PB Agora

 

Notícias relacionadas

Clientes Energisa podem solicitar serviços em canais online 

Com o avanço da pandemia em todo o estado, o atendimento  virtual é uma opção segura e eficiente    Com o recente aumento dos casos de Covid-19, é necessário que as pessoas continuem…

Incidência de raios por ano na PB chega a 200 mil; veja onde mais ocorrem

Cerca de 75 milhões de raios incidem por ano em todo o Brasil. Na Paraíba, em média caem 200 mil raios por ano, de acordo com os dados do Grupo…