Apesar de serem considerados os elementos mais frágeis no Direito, as testemunhas serão as provas primordiais da investigação sobre denúncia de pedofilia envolvendo o prefeito de São Bento, Jaci.


A informação é da própria promotora responsável pelo caso, Geovana Patrícia Queiroz Galvão. “Esta investigação se dará essencialmente pela oitiva de testemunhas. Se precisarmos de algo mais, solicitaremos”, declarou a promotora.


Ela não fixou prazo para fim da apuração nem quis adiantar se já possui elementos que sinalizem para o crime. “Mas garanto que estamos envidando todos os esforços para concluirmos o caso o mais rápido possível”, disse Geovana, que já ouviu o prefeito, a menor citada na denúncia e ainda os pais da menina.


O caso foi tornado público após veiculação de matéria no PB Agora no dia 30 de janeiro, quando o portal entrou no ar. A denúncia foi feita ao Ministério Público por uma testemunha anônima, que revelou suposta relação do prefeito com uma menina de onze anos.

PB Agora

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Abertura de bancos em CG durante ‘feriadão’ segue indefinida

O Sindicato dos Bancários de Campina Grande tem cobrado da Prefeitura Municipal respostas sobre o funcionamento das agências bancárias durante o feriadão estabelecido pela gestão municipal. Campina Grande antecipou os…

Após vencer licitação, empresa da construção civil irá coletar lixo de Cabedelo

Após decisão judicial, a Prefeitura de Cabedelo realizou concorrência pública para contratação de empresa para a coleta de lixo na cidade. Segundo publicação no Diário Oficial, a empresa Camara Ambiental…