A Paraíba é rica em patrimônios históricos, mas corre o risco de perder gradativamente estes bens culturais por causa do descuido e falta de incentivos.

De acordo com dados da Sociedade Paraibana de Arqueologia (SPA) cerca de 25% do patrimônio arqueológico da Paraíba está sendo degradado, seja por processos naturais, ou pela ação do homem. Assim também o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep) informou que não tem condições de gerenciar todos os patrimônios de forma satisfatória porque conta com uma equipe pequena.

O presidente da SPA, Vanderley de Brito, disse que o principal problema é a falta de conscientização e de educação patrimonial da população.

“A situação dos sítios arqueológicos e do patrimônio histórico da Paraíba não está boa. Existem regras que não são aplicadas e as instituições que são responsáveis por esse patrimônio não tem pessoal para fiscalizá-lo”, alertou o pesquisador. Vanderley disse que em todo o Estado existem cerca de mil sítios arqueológicos e paleontológicos e mais de 400 já foram catalogados. Brito falou que o parque da Pedra da Boca, no município de Araruna e o Lajedo de Pai Mateus, em Cabaceiras, são alguns dos poucos sítios gerenciados.

 

Jornal Correio

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Inmet alerta municípios da Paraíba para baixo nível de umidade nesta segunda

O Instituto Nacional de Meteorologia emitiu alerta de baixa umidade para município do Cariri, Seridó, Sertão e Alto Sertão da Paraíba. De acordo com o órgão, o nível de umidade…

Jovem morre após ser atingido por raio na cidade de Massaranduba

As fortes chuvas que caíram na região de Campina Grande nessa terça-feira (21) culminaram em uma tragédia. O jovem Reginaldo Arruda conhecido como Zezé, residente da cidade de  Massaranduba foi…