A Paraíba é rica em patrimônios históricos, mas corre o risco de perder gradativamente estes bens culturais por causa do descuido e falta de incentivos.

De acordo com dados da Sociedade Paraibana de Arqueologia (SPA) cerca de 25% do patrimônio arqueológico da Paraíba está sendo degradado, seja por processos naturais, ou pela ação do homem. Assim também o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep) informou que não tem condições de gerenciar todos os patrimônios de forma satisfatória porque conta com uma equipe pequena.

O presidente da SPA, Vanderley de Brito, disse que o principal problema é a falta de conscientização e de educação patrimonial da população.

“A situação dos sítios arqueológicos e do patrimônio histórico da Paraíba não está boa. Existem regras que não são aplicadas e as instituições que são responsáveis por esse patrimônio não tem pessoal para fiscalizá-lo”, alertou o pesquisador. Vanderley disse que em todo o Estado existem cerca de mil sítios arqueológicos e paleontológicos e mais de 400 já foram catalogados. Brito falou que o parque da Pedra da Boca, no município de Araruna e o Lajedo de Pai Mateus, em Cabaceiras, são alguns dos poucos sítios gerenciados.

 

Jornal Correio

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Mais de 900 atletas participaram da 4ª Corrida da UEPB

Neste domingo, 22, Dia Mundial Sem Carro, mais de 900 atletas participaram, da 4ª edição da Corrida da UEPB “Educar Para Viver Bem”, evento promovido pela Universidade Estadual da Paraíba…

Empreender Paraíba abre inscrições para municípios da 1ª região

O Programa Empreender Paraíba abre, nesta segunda-feira (23), a partir das 14h, as inscrições para concessão de crédito destinadas aos municípios da 1ª região do estado. São eles: Alhandra, Caaporã, Cruz do Espírito…