A Paraíba é rica em patrimônios históricos, mas corre o risco de perder gradativamente estes bens culturais por causa do descuido e falta de incentivos.

De acordo com dados da Sociedade Paraibana de Arqueologia (SPA) cerca de 25% do patrimônio arqueológico da Paraíba está sendo degradado, seja por processos naturais, ou pela ação do homem. Assim também o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep) informou que não tem condições de gerenciar todos os patrimônios de forma satisfatória porque conta com uma equipe pequena.

O presidente da SPA, Vanderley de Brito, disse que o principal problema é a falta de conscientização e de educação patrimonial da população.

“A situação dos sítios arqueológicos e do patrimônio histórico da Paraíba não está boa. Existem regras que não são aplicadas e as instituições que são responsáveis por esse patrimônio não tem pessoal para fiscalizá-lo”, alertou o pesquisador. Vanderley disse que em todo o Estado existem cerca de mil sítios arqueológicos e paleontológicos e mais de 400 já foram catalogados. Brito falou que o parque da Pedra da Boca, no município de Araruna e o Lajedo de Pai Mateus, em Cabaceiras, são alguns dos poucos sítios gerenciados.

 

Jornal Correio

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Plano de retomada da PB serve de modelo para Consórcio Nordeste

A matriz de risco elaborada pelo Governo do Estado no plano de retomada da economia na Paraíba serviu de modelo para o Comitê Científico do Consórcio Nordeste para a Covid-19…

MPs vão à Justiça por garantia de UTIs previstas em plano de combate à Covid-19

O Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público da Paraíba (MP/PB) ajuizaram uma ação civil pública com pedido de liminar em face da União, do Estado da Paraíba, do…