A peste negra foi uma doença que assolou a Europa de 1347 até 1353 durante a Idade Média. A enfermidade teve sua origem na Mongólia e se espalhou pelo Ocidente através dos barcos que realizavam o comércio entre Ásia e Europa.

E como qualquer pandemia, seu raio de ação devastador foi rápido, de difícil combate, expondo as chagas de uma sociedade indefesa ao mal. E numa analogia local e atual, observo que os desmandos de corrupção supostamente detectados pela Operação Calvário têm profunda similaridade à enfermidade que dizimou um terço da população que habitava o continente europeu.

Faz-se importante observar, no entanto, que a peste foi “fabricada” pela própria natureza. Já os possíveis desfalques, pagamentos de propinas e desvios de dinheiro público da saúde e educação na Paraíba foram “produzidos” pelo desejo primitivo e pouco ético dos “homo sapiens” que detinham o poder. Sim, eles mesmos, descontentes com a aquisição de bens duráveis e não duráveis adquiridos de maneira legal ou ilegal.

“Sapiens” vinculados a um pequeno núcleo que construiu em terras paraibanas uma Dubai, cujos alicerces foram edificados sobre os pilares da coisa pública. Daquilo que pertence, ou pertencia, ao povo. Um verdadeiro escárnio e escarro na boca de uma sociedade que beijava os lábios de uma pseudonormalidade.

E quando tudo enveredava para os últimos capítulos desse folhetim desagradável, eis que surgiu figura próxima do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV), apontado em processo de delação da ex-secretária de Estado da Administração, Livânia Bezerra, como um dos supostos beneficiados pelo Gólgota da propina.

Diz Livânia Farias que, além do núcleo “Girassol”, o homem forte de Luciano Cartaxo, Zennedy Bezerra, teria procurado a “ajuda” do ex-secretário de Saúde do Estado, Waldson de Souza, a fim de tratar assuntos referentes à candidatura do irmão fotocópia do alcaide da Capital, Lucélio Cartaxo, que buscava disputar o Senado.

O fato, segundo Livânia, teria ocorrido nas dependências do hotel Norde, no Cabo Branco. Zennedy Bezerra seria o suposto operador do esquema de corrupção envolvendo os irmãos Cartaxo.

No depoimento a ex-secretária relatou que Zennedy Bezerra teria solicitado R$ 1 milhão para custear a campanha de Lucélio Cartaxo, à época, em 2014, candidato a senador. O negócio não avançou e o quantitativo teve uma “deflação”. Foi para “simbólicos” R$ 600 mil. Sem obter êxito, o valor final foi fincado em R$ 300 mil.

O quantitativo foi pago, segundo Livânia Farias, no canal 40, local que era realizado todo o marketing de campanha do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB). E assim caminha uma pequena parte da humanidade. Com passos bem mais apressados que formiga e com gananciosa vontade.

E agora a pergunta que já tem quase resposta certa no “roletrando” do Silvio Santos dentro do seu baú da infelicidade. A pá de cal que poderá “sepultar” os Cartaxo foi fabricada por eles mesmos? Parece que sim!

Operação Irerês

Ah! Vale lembrar que a administração de Luciano Cartaxo responde crime federal pela suposta majoração de valores nas obras que beneficiaram o Parque Solon de Lucena, ou Parque da Lagoa, como a atual gestão se reporta ao logradouro.

As informações exclusivas foram veiculadas pelo Paraíba Já

Eliabe Castor
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Opinião: Polícia Militar redime a imagem da Paraíba em rede nacional de TV

Três semanas depois de muito bombardeio na imagem da Paraíba no noticiário nacional de TV, com relatos de casos de corrupção, eis que no programa Fantástico da Rede Globo, de…

João Azevêdo empossa 1.000 professores e não descarta novo concurso em 2020

O governador João Azevêdo empossou, nesta segunda-feira (20), os 1.000 aprovados no concurso para o cargo efetivo de professor de Educação Básica 3, realizado em 2019. Na ocasião, o gestor…