Centenas de mulheres do movimento dos trabalhadores rurais Via Campesina invadiram nesta manhã (9) o prédio da ASPLAN (Associação de Plantadores de Cana da Paraíba). O movimento é uma jornada de luta em que as mulheres se mobilizam no sentido de resgatar a luta, força, e resistência contra todas as formas de opressão.

 

Durante a invasão as manifestantes destruíram os jardins e simbolicamente em protesto, plantaram sementes de milho no prédio da ASPLAN.

As mulheres da Via Campesina e Assembléia Popular estão em luta, na defesa da soberania alimentar, energética e contra o agronegócio. O objetivo é alertar a destruição do planeta Terra pelo capitalismo, responsável pelo aquecimento global.

A Via Campesina é um movimento internacional que coordena organizações camponesas de pequenos e médios agricultores, trabalhadores agrícolas, mulheres rurais e comunidades indígenas e negras da Ásia, África, América e Europa.


Uma das principais políticas da Via Campesina é a defesa da soberania alimentar que consiste no direito dos povos de decidir sobre sua própria política agrícola e alimentar. 

O movimento culminou também na invasão do Ministério da Agricultura em Brasília. Cerca de 300 mulheres invadiram o saguão e quebraram a porta de vidro do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento na manhã desta segunda-feira (9).

As manifestantes estão dentro do prédio e, segundo a assessoria do movimento, protestam contra modelo de desenvolvimento adotado pelo governo brasileiro para o agronegócio e contra empresas que demitem e não geram riquezas para o Brasil. Além disso, reivindicam a reforma agrária.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Vice-governadora assina contratos do Empreender PB em Juazeirinho

A  vice-governadora Lígia Feliciano assinou 65 contratos do Programa Empreender Paraíba para empreendedores de Juazeirinho, Assunção, Soledade e Taperoá. A solenidade ocorreu, na última sexta-feira (14), durante a inauguração da…

VÍDEO: estudante assassinado alerta para risco de execução por “guardinhas”

Em vídeo publicado nas redes sociais, o estudante Clayton Tomaz de Souza, de 32 anos, cujo corpo foi identificado hoje pelos pais depois de ficar desaparecido desde o dia 6…