Por pbagora.com.br

O Ministério do Público do Trabalho (MPT) determinou a intimação do secretário municipal de Saúde de João Pessoa, Fábio Rocha, para esclarecer eventuais distorções na execução do plano de vacinação contra a Covid-19 na capital. O procurador Eduardo Varandas pretende averiguar se as diretrizes nacionais foram desobedecidas pelo município ou outros organismos, quanto à vacinação de profissionais que eventualmente não estão na linha de frente no combate à pandemia.

Há denúncias inclusive de vacinação de terceiros, alheios à área de saúde, e de funcionários de setores financeiros e recursos humanos de hospitais locais.

“É dever precípuo do município gerenciar, com vigilância extrema, a vacinação, de modo que não haja atropelos e burlas nos critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde. O país já enfrenta enormes dificuldades para adquirir a quantidade de vacinas necessárias para a população e admitir que espertalhões burlem as filas é esquecer de outras categorias prioritárias que necessitam urgentemente dos antígenos.” pontuou Varandas sobre a gravidade do problema.

No mesmo despacho, o procurador determinou a oitiva da direção do Hospital Nossa Senhora das Neves e do Hospital Universitário Lauro Wanderley a fim de averiguar a procedência das denúncias que incluem  imunização de pessoas alheias aos quadros das equipes sanitárias da linha de frente.

Atuação conjunta 
Lembra o Procurador do Trabalho que todos os ramos do Ministério Público na Paraíba têm legitimidade concorrente para conduzir  investigações autônomas, mas preferencialmente coordenadas: MPF, MP Estadual e MPT. No caso do MPT, a preterição das vacinas prejudica outros empregados da saúde que se apresentam em máxima  exposição  ao vírus e que não foram contemplados com o imunizante, violando protocolos e regras de saúde no trabalho.

“A primeira reunião da qual participamos, com a presença do MPF, MPPB e outros órgãos, foi bastante produtiva, Penso que a etapa seguinte deverá ser a deflagração de intensa vigilância nas vacinas por todos os órgãos de controle, nomeadamente o MP, com responsabilização dos infratores, seja civil, administrativa ou criminalmente no que couber”.

PB Agora

Notícias relacionadas

Cícero avisa que quem não concordar com decreto deve procurar justiça

“O decreto deve ser cumprindo. Quem achar que não, procure a justiça”. A declaração foi dada nesta sexta-feira (26) pelo prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena (PP), ao rebater as…

Opinião: transtornos em João Pessoa expõem falhas graves na gestão de Cartaxo

João Pessoa viveu, nesta sexta-feira (26), uma situação de transtorno jamais vista pelo menos nas últimas décadas. Um caos que se instalou com as chuvas que começaram a cair durante…