Por pbagora.com.br
Funcionários de banco usando máscaras de proteção enquanto conversam com cliente, em meio à pandemia do coronavirus. 19/3/2020. REUTERS/Diego Vara

Depois de ignorar recomendação da Defensoria Pública do Estado da Paraíba (DPE-PB), as agências do Itaú Unibanco, Santander e do Banco do Brasil (BB) em Campina Grande estão obrigados a adotar medidas para evitar as aglomerações, inclusive nas partes externas das instituições bancárias. A liminar foi concedida pelo juízo da 1ª Vara Cível de Campina Grande, ao julgar Ação Civil Pública ajuizada pelo Núcleo de Direitos Humanos da DPE-PB em Campina Grande.

A multa em caso de descumprimento é de R$100 mil por dia para cada um dos bancos. Os valores das multas eventualmente aplicadas aos bancos serão bloqueados eletronicamente por meio do sistema BACENJUD e integralmente destinados ao combate à Covid-19 na comarca de Campina Grande.

“Desde o início dos efeitos do combate à pandemia na Paraíba, a Defensoria Pública vem tomando várias medidas no âmbito coletivo com o objetivo de resguardar o direito da população mais carente, que é também a mais afetada pela pandemia”, ressaltou o defensor público Marcel Joffily. Ele explica que, antes de ajuizar a ação, a DPE tentou resolver a situação administrativamente, como sempre faz, mas em razão ao não atendimento às recomendações, foi necessário ajuizar a ação.

Para o defensor público Philippe Figueiredo, em situações excepcionais, como uma pandemia, o sistema de Justiça deve envidar esforços a fim de que o heróico trabalho dos profissionais de saúde não seja em vão. Acrescenta que a Defensoria Pública da Paraíba não ficará inerte diante dos desafios jurídicos decorrentes da Covid-19.

Na decisão, a juíza Ritaura Rodrigues deferiu o pedido de urgência da Defensoria Pública integralmente. Aos bancos, portanto, caberá a efetiva orientação e controle do distanciamento mínimo de 1,5m das pessoas que formam filas nas dependências externas das agências, inclusive com a distribuição de fichas ou outro método de controle; a contratação de serviços privados auxiliares para implementar tal medida, se necessário; o fornecimento permanente de itens de higiene; e a higienização permanente e ostensiva de todas as superfícies que apresentem risco de infecção aos consumidores, inclusive dos caixas eletrônicos.

A ACP também prevê atendimento em horário diferenciado para as pessoas em grupos de risco, com ostensivos avisos destes horários; e entradas diferenciadas para as pessoas em grupos de risco, bem como de terminais exclusivos para estas pessoas.

A ação foi fundamentada no Código de Defesa do Consumidor e no Decreto Estadual 40.141/2020, que determina aos estabelecimentos comerciais, bancários e as casas lotéricas autorizados a funcionar a doção de medidas de proteção aos seus funcionários, clientes e colaboradores, estabelecendo a distância de 1,5 metros entre cada pessoa, entre outras determinações.

O juízo também ressaltou que outra medida para diminuir a aglomeração de pessoas e as filas é aumentar o horário do expediente bancário. “O que aparentemente não foi feito pelas agências locais das instituições financeiras rés”, pontuou.

 

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Herdeiros de Jota Júnior deverão ressarcir R$ 16,9 mi aos cofres de Bayeux

A Quarta Câmara Especializada Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba condenou o espólio do ex-prefeito de Bayeux, Josival Júnior de Souza, mais conhecido como Jota Júnior, que faleceu em…

Jornalista, chefe de gabinete de prefeitura da PB, morre em grave acidente no Rio Grande do Norte

Um grave acidente automobilístico ocorrido na noite dessa sexta-feira, causou a morte do jornalista e chefe de gabinete da prefeitura de Várzea, na Paraíba, Márcio Nóbrega. De acordo com as…