O Bispo Dom Júlio Paiva da Igreja Brasileira ,em contato com a reportagem do PB Agora, na manhã deste sábado, revelou-se surpreso com a notícia veiculada pela imprensa, dando conta que ele havia sido preso ontem à noite dentro da sala de aula na Unesc, no bairro do Alto Branco, onde cursa Direito, acusado de racismo.

Segundo Dom Júlio, houve um acirrado debate acadêmico em sala de aula, onde o tema tratado era “racismo”. Em certo momento deste debate, o bispo teria mencionado a seguinte afirmação: “O crime de racismo só se caracteriza quando alguém chama alguém de negro. Quando alguém deixa de fazer algo em favor ou desfavor de alguém por menção da cor ou da raça. Por exemplo: como é que nós chamávamos os policias antigamente? Macaco.” afirmou Júlio Paiva.

Neste momento alguém saiu da sala e comunicou em tom de fuxico ao agente da policia federal de nome Antonio Carlos Melo que estuda na mesma sala. O debate ficou acalorado entre o bispo e o agente federal, mas no final tudo ficou esclarecido, segundo o Dom Júlio Paiva.
 

 

ENTREVISTA COM O BISPO JÚLIO PAIVA

 

Clilson Júnior

PB Agora

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Manutenção da Cagepa deixa Santa Rita sem água nesta 4ª

A Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) vai precisar interromper o abastecimento de água nesta quarta-feira (15), das 7h às 22h, no município de Santa Rita, exceto em…

Juiz confirma realização de eleição indireta no município de Bayeux

O juiz eleitoral Euller Jansen, da 61ª Zona, confirmou, nesta terça-feira (14), que realização de eleições indiretas no município de Bayeux, diante da renúncia do prefeito afastado Berg Lima do…