A Paraíba o tempo todo  |

Um novo amanhecer

Agora penso: como saio disso?
Desse cárcere que chamo de dia,
Exaure a liberdade, mas não a vida,
E adia enquanto pode meu leito.

Lembro quando não tinha juízo e vivia.
Voava alto como pássaro,
Arranhava céus com meus sonhos
Ao invés da minha paz e consciência.

Observo os pássaros sem rumo
Aprisionados em uma gaiola
E lembro; é somente meu reflexo,
Refletindo no pior momento da vida:
A luta de quem ganha o leito primeiro.

Recordo da insolação praiana,
Eventos eufóricos e puro libido
Que hoje perpetuam-se em uma lembrança.

Mesmo na pior ideia, penso:
Talvez amanhã seja tudo novo.
Diante de tudo, esboço um sorriso.

Joplin Fonseca

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe