Agora penso: como saio disso?
Desse cárcere que chamo de dia,
Exaure a liberdade, mas não a vida,
E adia enquanto pode meu leito.

Lembro quando não tinha juízo e vivia.
Voava alto como pássaro,
Arranhava céus com meus sonhos
Ao invés da minha paz e consciência.

Observo os pássaros sem rumo
Aprisionados em uma gaiola
E lembro; é somente meu reflexo,
Refletindo no pior momento da vida:
A luta de quem ganha o leito primeiro.

Recordo da insolação praiana,
Eventos eufóricos e puro libido
Que hoje perpetuam-se em uma lembrança.

Mesmo na pior ideia, penso:
Talvez amanhã seja tudo novo.
Diante de tudo, esboço um sorriso.

Joplin Fonseca

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Detran-PB amplia serviços de atendimento aos usuários por agendamento

A partir desta quinta-feira (28), o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PB) retoma parte dos serviços que estavam suspensos em razão de decreto governamental, por conta da pandemia do novo coronavírus.…

Opinião: A Covid-19 quase me derrubou, mas ao “despertar” vi Bolsonaro mais frágil e agressivo

Está em Gênesis, que discorre sobre O Princípio. “ No princípio Deus criou os céus e a terra. Era a terra sem forma e vazia; trevas cobriam a face do…