Por pbagora.com.br

Agora penso: como saio disso?
Desse cárcere que chamo de dia,
Exaure a liberdade, mas não a vida,
E adia enquanto pode meu leito.

Lembro quando não tinha juízo e vivia.
Voava alto como pássaro,
Arranhava céus com meus sonhos
Ao invés da minha paz e consciência.

Observo os pássaros sem rumo
Aprisionados em uma gaiola
E lembro; é somente meu reflexo,
Refletindo no pior momento da vida:
A luta de quem ganha o leito primeiro.

Recordo da insolação praiana,
Eventos eufóricos e puro libido
Que hoje perpetuam-se em uma lembrança.

Mesmo na pior ideia, penso:
Talvez amanhã seja tudo novo.
Diante de tudo, esboço um sorriso.

Joplin Fonseca

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Energisa é condenada a indenizar consumidora por interrupção prolongada na véspera do Natal

A empresa Energisa Borborema – Distribuidora de Energia S/A foi condenada a indenizar uma consumidora que teve a energia de sua casa interrompida na véspera do Natal, em 24/12/2015, só…

Polícia Federal nega que João Azevêdo tenha sido alvo da 9ª fase da Calvário

O delegado da Polícia Federal Conrado de Almeida, em entrevista nesta terça-feira (27), confirmou que o governador João Azevedo não foi um dos alvos da nova etapa da Operação Calvário…