Por pbagora.com.br

“Essa Casa só tem competência para afastar e cassar um governador se for a ele imputado um crime de responsabilidade e crime de responsabilidade não é indício. Não é prudente apresentar um pedido de impeachment com indícios. Tem que ser com fato concreto, tem que ser um fato determinado, porque do contrário é golpe. Essas eleições foram resolvidas no primeiro turno e agora querem um segundo turno no tapetão. Isso não é democrático, nem respeita o princípio da soberania do voto popular”, disse hoje (11), o deputado estadual Jeová Campos (PSB).

            Dirigindo-se ao deputado Bosco Carneiro, que afirmou em discurso na Tribuna ser favorável ao pedido de impeachment contra João Azevêdo e Ligia Feliciano, protocolado na última quinta-feira (06), o parlamentar disse que é, no mínimo, precitado essa atitude. “Quem passou quatro anos no governo, apoiando o governo, e agora de forma apressada só abre os ouvidos para a oposição. E preciso abrir o espaço para a defesa, porque a defesa ainda não falou”, disse Jeová.

            Anda segundo o deputado, esse assunto, diz respeito a uma investigação que foi feita ao longo do ano passado, sob sigilo. “Veja como é muito estranho tudo isso. Justamente, às vésperas do recesso forense, para dificultar a defesa, aconteceram várias prisões e depois começou a se repassar informações para a Imprensa com vazamentos, onde só se escutou até agora apenas um lado. O outro lado sequer pôde falar”, afirmou Jeová, adiantando que refuta todos os pré-julgamentos. “É preciso um pouquinho mais de parcimônia, de prudência. É muito fácil falar bonito, mas é necessário falar o que nossa responsabilidade nos impõe e a responsabilidade nos impõe cautela naquilo que estamos aqui a proclamar”, reiterou Jeová.

            De acordo com ele, essa posição de defesa em nome da democracia e do Estado Democrático de Direito, ele assume de público. “Estou preparado para fazer um bom debate mas, reitero que é importante que a oposição dê ouvidos a quem está sendo acusado e lhe dê a oportunidade de se defender. A oposição está muito apressada. A eleição é em 2022. A eleição não é agora. Em 2022, vocês venham para o enfrentamento e faça o debate e vençam as eleições, mas querer antecipar as eleições é um golpe na democracia e contra o povo da Paraíba e isso não terá a minha na anuência”, finalizou Jeová.

            O parlamentar, que é também advogado, teve o cuidado de analisar o conteúdo do pedido de impeachment protocolado pela oposição contra o governador João Azevêdo. Segundo ele, a peça acusatória é de frágil conteúdo, “Há ausência da descrição individualizada da conduta e especificação de todos os elementos do suposto crime. Da narração dos fatos não decorre logicamente uma conclusão. Não mostra crime algum de responsabilidade, portanto, querer o impeachment do governador e da vice-governadora com essa peça não tem outra conotação que não um golpe” concluiu Jeova Campos.

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Sine de CG registra redução na procura pelo Seguro-Desemprego

A pandemia do novo coronavírus fez com que diversos setores da economia tivessem se alterado para permanecerem ativos no mercado. No entanto, milhares de postos de serviços foram fechados em…

Azevêdo anuncia retomada do concurso para agentes socioeducativos da Fundac

O concurso público para o preenchimento de 400 vagas de agentes socioeducativos da Fundação de Desenvolvimento da Criança e do Adolescente “Alice de Almeida” (Fundac) será retomado a partir do…