Por pbagora.com.br

O Ministério Público de Contas da Paraíba (MPC-PB) ofereceu representação contra o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, a ex-secretária de Saúde daquele município, Luzia Pinto, assim como secretário atual, Felipe Reul. O MPC-PB pede a instauração de inspeção especial no município para apurar possíveis irregularidades na aquisição de respiradores pela prefeitura.

A investigação partiu de uma denúncia publicada nas redes sociais, no perfil ”Fiscaliza Campina”. Foram identificadas algumas conexões entre empresas fornecedoras da Prefeitura de Campina Grande, sócios, ex-sócios, empregados, ex-empregados, servidores, ex-servidores e pessoas com vínculo de parentesco, motivo pelo qual o MPC entendeu por bem aprofundar as investigações, tendo identificado algumas incongruências e fortes indícios de ilegalidades, conforme narra na representação.

Após as denúncias publicadas pela página Fiscaliza Campina, a empresa MFT Materiais Médico-Hospitalares e Manutenção LTDA. divulgou uma nota de esclarecimento, que foi assinada e publicada pela Coordenadoria de Comunicação (Codecom) da Prefeitura de Campina Grande, fato que o MPC-PB condena. ”A fonte da informação não poderia ser a Codecom, sob pena de se misturar o público com o particular – utilização de meio público (portal oficial público na internet) para atender a interesses particulares (da empresa privada)”, diz trecho da representação.

Outra questão é que até 2018, dois funcionários dos quadros da prefeitura figuravam entre os sócios da MFT.

A denúncia cita ainda diversos aspectos que causam estranheza nas declarações da empresa, como por exemplo, o fato de que entre 2018 e 2019 ela só possuía três funcionários registrados e ainda assim fechou grandes contratos com a prefeitura. Há também a suspeita do uso de um ”laranja” na empresa.

Sobre o caso, a prefeitura de Campina Grande emitiu a seguinte nota:

NOTA
 
Secretaria de Saúde de Campina Grande
A Secretaria de Saúde de Campina Grande vem prestar esclarecimentos a respeito da representação feita pelo Ministério Público de Contas da Paraíba ao Município, em razão de suposta irregularidade na compra de respiradores durante a pandemia da Covid-19.
A Secretaria não fez uso dos respiradores adquiridos junto à empresa MFT Materiais Médico-Hospitalares e Manutenção LTDA por uma razão basilar: os produtos não corresponderam às especificações técnicas.
Dessa forma, cumprindo rigorosamente os preceitos da boa gestão pública, os aparelhos foram devolvidos e o recurso foi integralmente restituído ao Fundo Municipal de Saúde.
A Secretaria Municipal de Saúde de Campina Grande, por fim, expressa sua perplexidade com a divulgação dessa noticia, uma vez que a denúncia sequer foi recebida pela Auditoria do Tribunal de Contas do Estado.
A Procuradoria Geral do Município acredita, inclusive, que na avaliação a ser feita em tempo oportuno pelo TCE-PB, o objeto será considerado extinto, já que o contrato com a empresa foi rescindido há mais de três meses.

 

Redação com ClickPB

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

João alerta que publicação de Protocolo não significa que aulas presenciais vão voltar imediatamente na Paraíba

Foi divulgado nesta sexta-feira (25) um decreto que estabelece diretrizes para o retorno das aulas presenciais na dos sistema educacionais da Paraíba e demais instituições de ensino superior. O decreto…

Dois assaltos a residências são registrados em diferentes bairros de João Pessoa

Dois assaltos a residências foram registrados em diferentes bairros de João Pessoa. As duas invasões aconteceram entre a noite de quinta-feira (24) e a madrugada da sexta-feira (25). , Nos…