Por pbagora.com.br

A solenidade de Corpus Christi foi celebrada nesta quinta-feira (11) com bastante intensidade na Diocese de Campina Grande.

Cada paróquia buscou com a sua programação oferecer aos fiéis, que acompanharam à distância pelos meios de comunicação social, um momento de louvor e adoração.Na Catedral Diocesana foram realizadas duas missas: uma pela manhã com a presidência do padre Luciano Guedes, vigário-geral da Diocese, e a outra à tarde, presidida pelo bispo diocesano, Dom Dulcênio Fontes de Matos.

“A Eucaristia é mistério, não porque se pauta em uma ação humanamente incompreensível e divinamente possível, mas por conta da profundidade que tais palavras, gestos e atitudes deixados por Jesus e celebrados na Missa possuem”, proclamou Dom Dulcênio durante a Missa de Corpus Christi.

Este ano, devido à Pandemia, a celebração foi realizada sem a presença dos fiéis. Concelebrou esse momento o padre Luciano Guedes, assistido pelo diácono Ricardo e os seminaristas que prestaram auxílio no serviço litúrgico.

A Missa foi transmitida pelas redes sociais da Diocese e da Catedral e pela Rádio Caturité FM (104.1).

Na homilia, o bispo falou sobre a presença real de Jesus Cristo no Sacramento da Eucaristia. Ele explicou as origens da solenidade e o valor incomensurável da Sagrada Comunhão: “A Mãe Igreja, além de, ininterruptamente, celebrar o Santo Sacrifício da Missa, solenemente, uma vez por ano, ao festejar os Sacratíssimos Corpo e Sangue do Senhor, desde o século XII acentua nesta festividade a presença real de Cristo na Eucaristia e, portanto, a sua adoração”.

Assessoria

Notícias relacionadas

Vereador de JP deve responder nas esferas criminal e cível por funcionamento de academia durante decreto

O Ministério Público da Paraíba está atuando para a imputação penal e civil dos responsáveis, dentre eles um vereador de João Pessoa, por uma academia de jiu-jitsu de João Pessoa…

CPFs inexistentes e de pessoas mortas estariam entre os beneficiados com vacina contra Covid na PB

Na lista de vacinados na Paraíba aparecem possíveis falhas, como o uso de CPFs inexistentes de 8.973 pessoas e 341 que já estariam mortas. Inconsistências relativas à faixa etária; intervalo…