Um levantamento da Consultoria Tendências constatou que apenas oito prefeitos chegam ao último ano de mandato com as contas públicas ajustadas. O estudo exclui o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, e atesta que apenas os prefeitos das cidades de Rio Branco, Palmas, Boa Vista, Curitiba, Porto Velho, Vitória, Aracaju e Manaus apresentação situação fiscal confortável.

De acordo com o estudo, João Pessoa e mais 17 capitais entraram no último ano gestão de seus respectivos prefeitos com pouca margem de manobra nas contas públicas. As prefeituras de Rio Branco, Palmas, Boa Vista, Curitiba, Porto Velho, Vitória, Aracaju e Manaus são as que estão com as contas públicas mais ajustadas.

Com base em indicadores como endividamento; poupança corrente, liquidez, resultado primário, despesa com pessoal e encargos sociais e investimentos, o levantamento estabeleceu critério de notas que vai de “Não disponível”, quando não há dados para a avaliação, a 10. a Capital paraibana figura na 12ª posição, com a nota de 5,41.

O estudo engloba o período de 2017 ao primeiro semestre de 2019. E de acordo com a pesquisa, os municípios com boa capacidade fiscal precisam ter nota média igual ou acima de 6. Para ser considerado com muito boa capacidade, a nota tem de ultrapassar 8.

A situação de João Pessoa fica ainda pior, segundo levantamento da Consultoria Tendência, quando se avalia a Taxa de Investimento. Das 26 capitais, a da Paraíba aparece na 22ª colocação, com 3,66%. Neste quesito, João Pessoa supera apenas as cidade de Rio de Janeiro, Curitiba, Por Velho e Maceió. Boa Vista (RR) supera todas as demais capitais com a taxa de investimento de 23,53%.

PB Agora
com informações do G1

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Covid-19: Cartaxo autoriza edital para contratação de 735 profissionais

Como forma de dar continuidade às ações de prevenção ao novo coronavírus na Capital paraibana e após declarar estado de calamidade pública no enfrentamento à pandemia da Covid-19, o prefeito…

Opinião: Bolsonaro começa a se tornar uma figura decorativa e desmoralizada na Presidência da República

O episódio inerente à tumultuada permanência no Governo Federal do ministro Luiz Henrique Mandetta denota que o Brasil está como um barco à deriva, sem comando. Pelo menos, até que…