A Paraíba o tempo todo  |

Especialistas falam do potencial para geração de energias renováveis na PB

Na Paraíba, 15 parques eólicos em operação geram 156,7 megawatts. Doze dos parques estão localizados na cidade de Mataraca, no Litoral paraibano, dois em São João do Sabugi e um em Santa Luzia, no Sertão do Estado. Neste sentido o instrutor Isaque Amorim, do Senai Paraíba e a pesquisadora doutora Ricélia Maria Marinho Sales, da Universidade Federal de Campina Grande, uma das coordenadoras do Grupo de Pesquisa em Sistemas de Indicadores em Sustentabilidade Urbana, Rural e Ambiental falam do potencial das energias renováveis na Paraíba.

A energia eólica é caracterizada pela transformação da energia do vento para produção de eletricidade. Já a energia solar é captada através de painéis solares, que também é convertida em energia elétrica. “Posso destacar o grande potencial solar e eólico que existe na Paraíba tanto em nível de radiação solar, que é um dos maiores índices do Brasil registrado, inclusive do mundo, e a eólica também. No interior da Paraíba tem muitos ventos com velocidade constante que favorecem para a implantação de parques eólicos”, afirmou Amorim, ressaltando que a cidade de Sousa, que fica no Sertão da Paraíba, tem grande potencial para instalação de usinas fotovoltaicas por causa dos índices de radiação solar.

Segundo a pesquisadora doutora Ricélia Maria Marinho Sales, não se discutia energias renováveis nos campi das universidades no interior, a não ser os procedimentos técnicos, na engenharia. O uso de energias renováveis passou a ser incentivado pelo governofederal a partir da implementação do Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica, o Proinfa, de 2002, com o “objetivo de aumentar a participação da energia elétrica produzida por empreendimentos tendo como base fontes ‘limpas’ para a geração de energia”. O conceito de “limpas” naquela época era apenas relacionado com a produção de carbono; hoje considera-se produção limpa aquela que mantém as condições não poluentes, ausentes de impactos, desde a etapa inicial de produção, o deslocamento, a instalação, o que não se aplica às energias renováveis, conforme os pesquisadores.

A partir do Proinfa, deu-se início no Brasil a uma atuação diferente para a comercialização da energia, incentivando a instalação de usinas eólicas. O desenvolvimento teve como base o Atlas Potencial Eólico Brasileiro, lançado em 2001. O primeiro aerogerador eólico na Paraíba começou a operar em 2007, em Mataraca, no Litoral. Em âmbito de políticas públicas, o Governo da Paraíba instituiu a Política Estadual de Incentivo à Geração e Aproveitamento da Energia Solar e Eólica no Estado da Paraíba em 2016 (Lei Nº 10.720), para fomentar a instalação de empreendimentos.
Redação

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      1
      Compartilhe