A Paraíba o tempo todo  |

Entrevista – Ricardo Coutinho: “Não tenho medo da grande aliança de ódio contra mim”

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

Em entrevista às jornalistas Rejane Negreiros e Juliana Teixeira, para o canal Política por Elas, no Youtube, o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) revelou que há, na Paraíba, uma grande disputa em que setores ligados às superestruturas de poder querem tirá-lo da política a qualquer custo.

Segundo ele, querem tirá-lo “não através do voto, mas de todo tipo de instrumento que se possam ter…”. E isso no Brasil e na América do Sul – prosseguiu – hoje não é tão conspiratório, é real e concreto”.

“Todos sabem do papel da Paraíba, no meu Governo, na resistência ao golpe de 2016”, disse o ex-governador da Paraíba na entrevista cujo resumo a coluna publica a seguir:

Sobre inelegibilidade para 2022

É público e notório que sou um alvo do mais profundo lawfare (uma forma de guerra na qual o direito é usado como arma, com manobras jurídico-legais como substituto de força armada visando alcançar determinados objetivos) que a Paraíba já viu. Se pegar a Lava Jato e aquilo que aconteceu com o presidente Lula, não chega nem próximo ao que está acontecendo aqui. Aqui envolve praticamente todos os órgãos que poderiam ter alguma relação de punição comigo. Aqui envolve TSE, Tribunal de Justiça, Vara Família, Tribunal de Contas, Secretaria da Fazenda. Enfim, uma série de órgãos que tentaram de todas as formas me atingir.

O caso específico do TSE, esse processo estava arquivado há dois anos; não é usual o TSE retirar um processo que estava arquivado, por decisão de um ministro, recolocá-lo no debate, refazer o parecer e julgá-lo faltando três dias para a eleição, como foi o caso das eleições 2020. Eu não tinha a menor dúvida e os números que eu tinha demonstravam que eu iria para o segundo turno. É claro que vou apelar da decisão do TSE, além do que os oito anos se vencem em 2022; não é do ano passado, é de 2014 que começa a contagem do tempo. Portanto, eu acho que nesses casos o grande juiz deve ser o povo; as pessoas sabem como governei; sabem como essa Paraíba mudou.

Mudou na relação interna dos Poderes, e isso desagradou a muita gente… Mudou nos investimentos, para tornar a Paraíba mais igual e mais democrática. E acho que esse julgamento a população é que tem que fazer, mesmo com essa articulação, com essa grande aliança de ódio que montaram aqui dentro contra mim. Mas eu costumo dizer que não tenho ódio, mas também não tenho medo. Eu caminho com a cabeça erguida e a espinha ereta e com a consciência muito tranquila.

Reprovação de contas
Totalmente uma decisão fundamentada em interesse político. E eu, sinceramente, tenho constrangimento, porque eu sei da pressão advinda dessas questões da Operação Calvário sobre o Tribunal de Contas do Estado. Não sei de pormenores, porque realmente não participei daquilo lá e não tenho informações mais apuradas.

Mas deixa-me dizer em que se basearam as duas rejeições de contas que o TCE votou contra mim. Eu sou o único governador na história da Paraíba que teve contas rejeitadas. Imagine! Governar um Estado por oito anos, quatro anos de seca, outros quatro com a maior crise econômica que este País já viu; com queda no PIB nacional de 10% para 8% e, ao mesmo tempo, você entregar um estado que hoje cresceu o PIB em 14,8%, quando a média de crescimento do Nordeste foi 8,6% e a média do Brasil foi 4,8%. Um governo que se porta desse jeito é para o TCE o primeiro governo a ter contas rejeitadas na Paraíba. E eles rejeitaram as contas por duas questões: disseram que eu não cumpri o índice do Fundeb com os professores, que seria 60%. Nós na verdade cumprimos com 60,42%; nós entregamos a cópia dos empenhos.

A auditoria e o Ministério Público disseram: “Não, aqui falta a palavra professor…” Professor em relação aos prêmios que criei em 2011, como Escola de Valor, Professor Nota 10. Desde 2011 eles aprovaram e nunca fizeram nenhuma ressalva de que no empenho tinha que ter a palavra professor. E se tivesse a culpa seria de quem faz o empenho e não do governador, porque governador não faz empenho. Eles rejeitaram e, agora, é preciso saber o seguinte: se esse dinheiro eles dizem que não foi para
professores, foi pra onde?.. Eles não têm como dizer que foi para outro canto, porque os professores receberam o dinheiro. Então é algo que mostra claramente que é começar pelo rim para chegar no início. Qual era o fim? Rejeitar a conta. Qual era o início? O meio para isso era dizer que o empenho não tem uma palavra chamada professor.

A outra questão é mais grave ainda: eles dizem que eu criei codificados. Eu não criei codificados. Eu reduzi profundamente o número de codificados. Eu fui o único governador que reduziu o número de codificados, desde a década de 80, que eram trabalhadores que não tinham qualquer direito. Era uma fonte permanente de corrupção. O que tem de gente que dirigia hospital, que podia criar um CPF; e muita gente que, naquela época, fazia rachadinha. Eu quebrei isso com Organizações Sociais, que é uma estratégia que todos os Estados do Brasil usam, mas a Paraíba inventou de criminalizar através do Gaeco.

Na essência, tem uma grande disputa na Paraíba. Essa disputa significa setores que chamo de restauradores, setores que tinham uma relação diferente, relação que eu mudei quando cheguei pra governar, setores da superestrutura de órgãos, de poderes, que tinham uma relação diferenciada, tem toda uma tentativa de me tirar da política. Não através do voto, mas através de todo tipo de instrumento que se possa ter. E isso no Brasil e na América do Sul, hoje não é tão conspiratório; isso é real e concreto.

Todos sabem do papel da Paraíba, no meu Governo, na resistência ao golpe de 2016; sabem das posições políticas que o governador Ricardo Coutinho tinha. Eu tenho horror a político que não tem posição; que mudou os ventos se agarra ali como se estivesse desde o início, ou seja, essa gente não tem posição, não tem postura. Eu sempre tive postura. A pessoa pode até discordar das minhas posturas e das minhas ideias, mas jamais pode dizer que eu me escondi atrás de qualquer coisa. Olhem a história da Paraíba, de governantes. E não estou fazendo críticas a eles, mas apenas contextualizando uma situação que é diferente. Todos eles foram sempre aliados, oficial ou extraoficialmente, ao governante de plantão. Eu fui um que não foi aliado, e deixei isso claro. Eu não foi aliado de Temer, eu me contrapus a golpe. Eu cumpria meu protocolos com o então presidente Temer, mas dizia claramente aquilo que achava. Eu tinha, tenho e terei posição política porque isso, para mim, na política é essencial, é oxigênio. E isso me custou muito caro; me custou uma aversão, um ódio, que está explicito ai, a partir de tantos abusos cometidos contra a minha pessoa, contra a minha família e contra o projeto.

Veja o caso de Márcia Lucena, que foi impedida de ganhar a reeleição de prefeita do Conde. Ninguém diz isso, mas eu estou dizendo. Isso que está acontecendo na Paraíba impõe a Ricardo, a Márcia, a Estela, a Cida, enfim, ao núcleo de pensamento de um projeto político. Impõem não poder conversar entre si. Nos impôs isso durante uma eleição municipal; eu não podia ir no Conde para apoiar Márcia, por conta de medidas cautelares; eu não podia gravar para Márcia; e Márcia não podia sair à noite e, portanto, não podia fazer campanha, porque durante o dia ela tinha que trabalhar como prefeita, e no final de semana não podia sair de casa. E tudo isso tem um foco que se chama destruir um projeto que eles não queriam. Só que agora estão com isso nas costas sem saber o que fazer, porque chegará um momento em que vão ter que provar e não vão provar absolutamente nada, pelo menos no que diz respeito a mim. Isso é uma afirmação muito forte que faço, publicamente. Eu sei por onde andei, o que faço, o que fiz e o que movimenta, no jogo da política.

Portanto, as coisas são essas. O Tribunal de Contas entrou nesse jogo, sim, porque está acocado por denúncias que não sei se são verdadeiras e que criaram uma espécie de animosidade, de modo que se eles aprovassem as minhas contas, o que seria natural, iriam dizer que havia um conluio, porque criaram através de uma delação induzida, claramente induzida, de que eu teria mandado uma pessoa que delatou, que tem um grau de marginalidade alto, dizer que eu teria mandado ele contratar uma empresa para espionar famílias de conselheiros; veja que história maluca…

A entrevista pode ser assistida, na íntegra, no canal Política por Elas, no seguinte endereço:

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe