Por pbagora.com.br
Na Semam, estão em regime de plantão profissionais como biólogos, geógrafos, engenheiros ambientais, entre outros, que serão acionados e estão de prontidão para qualquer situação de emergência. (Foto: Secom-JP)

A Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por meio dos técnicos da Divisão de Fiscalização (Difi) e da Divisão de Estudos e Pesquisas (Diep) da Secretaria de Meio Ambiente (Semam), é responsável pelo monitoramento dos 24 quilômetros de praias da Capital. Esse monitoramento é diário, com observação de possíveis crimes ambientais, como lançamento de esgoto clandestino, descumprimento da legislação ambiental pelos proprietários de barracas, bem como outras infrações.

Neste período em que as praias da região Nordeste vêm sendo atingidas por manchas de óleo, os técnicos da Semam estão intensificando a fiscalização do litoral. Estão sendo feitas vistorias diárias desde o dia dois de setembro, quando apareceram as primeiras manchas nas praias de João Pessoa, bem como vistorias em conjunto com representantes da Marinha do Brasil, Ibama e prefeituras de cidades do litoral,  como o que foi feito no dia 16 de outubro nos corais de Picãozinho. Na vistoria dos corais, o biólogo da Semam, Cláudio Almeida, gravou imagens subaquáticas e fotos dos corais, quando foi verificado que não havia, pelo menos por enquanto, até aquela data, registro de óleo na área.

O secretário de Meio Ambiente, Abelardo Jurema Neto, informou que todas as equipes da Semam estão trabalhando em regime de plantão, intensificando as ações nas praias, atentas para possíveis manchas de óleo. “Caso as manchas cheguem ao litoral de João Pessoa, da forma como chegaram em outras cidades do Nordeste, a PMJP estará pronta para ações emergenciais, disponibilizando todas as equipes de profissionais da Semam, bem como de outras secretarias que possam estar envolvidas, repito, caso tenhamos uma situação como a que estamos acompanhando em outras cidades do Nordeste”, comentou.

Na Semam, estão em regime de plantão profissionais como biólogos, geógrafos, engenheiros ambientais, entre outros, que serão acionados e estão de prontidão para qualquer situação de emergência. As equipes estão em contato com representantes da Marinha do Brasil, Ibama, prefeituras de cidades do litoral, bem como com donos de barcos que fazem passeios turísticos e pescadores de associações, que trabalham no litoral de João Pessoa, formando uma rede de colaboradores para troca de informações.

Redação com Secom/JP

Notícias relacionadas

Três bairros de JP registram queda de árvores por conta das chuvas

Ao menos três bairros de João Pessoa registraram quedas de árvores nesta sexta-feira (26) por conta das fortes chuvas que atingem a capital paraibana desde as primeiras horas da manhã.…

João Azevêdo anuncia concurso com 1.400 vagas para a Polícia Civil

O governador João Azevêdo anunciou, nesta sexta-feira (26), a realização de concurso que vai ofertar 1.400 vagas para a Polícia Civil. O concurso visa suprir as necessidades dos cargos de…