O preço do gás natural fornecido pela PBGás aos postos de combustíveis e setores comercial e residencial sofrerá uma redução de 1,03%, a partir deste domingo (1). Com isso, o metro cúbico será repassado ao mercado consumidor pela empresa ao preço de R$ 1,04, conforme autorização da Agência de Regulação da Paraíba – ARPB.

Segundo o presidente da PBGás, Manoel de Deus, isto está sendo possível porque a Petrobrás, revertendo a prática de reajustes trimestrais ocorrida durante o exercício de 2008, reduziu o preço do gás natural fornecido a empresa em 3,81% a partir de 1º de fevereiro, tendo em vista o comportamento do preço internacional do petróleo, que, após crescimentos elevados, chegando a U$ 140.00 o barril, tem apresentado quedas constantes, chegando atualmente em torno de U$ 40.00.

Ele explicou, no entanto, que a redução aplicada pela PBGás está sendo menor do que a praticada pela Petrobras porque “a empresa, há algum tempo, vem trabalhando com suas margens (ganhos) abaixo da legalmente autorizada; situação agravada durante o exercício de 2008, quando a Petrobras aplicou em reajuste acumulado de 34,02%, enquanto a empresa, preocupada em minimizar os efeitos dos reajustes junto ao mercado, repassou apenas 25,23%”.

Enquanto no mês de fevereiro de 2008 a Petrobras promoveu um reajuste de 4,39%, a PBGás repassou apenas 3,37%. No mês de maio, o reajuste do preço do gás fornecido à empresa paraibana pela Petrobras foi de 6,09%, mas a PBGás repassou apenas 4,65. Em agosto, a Petrobras reajustou o preço em 8,95%, enquanto a PBGás 6,93%; e no mês de novembro, a Petrobras aplicou um reajuste de 11,07% e a PBGás aumentou somente 8,26%.

Manoel de Deus esclareceu ainda que a PBGÁS está autorizada pela ARPB, com base no seu Contrato de Concessão, a praticar uma margem de R$ 0,2375/m³; enquanto que a margem a ser obtida agora em fevereiro, com a aplicação dessa redução no preço do gás natural, será de R$ 0,1850/m³; portanto, ainda inferior a autorizada. “A PBGÁS pretende, aos poucos, sem impactar significativamente os preços praticados junto aos seus clientes, recuperar gradativamente a sua margem”, disse.

Para o presidente da PBGÁS essa redução, ainda que pequena, além de reverter a tendência de reajustes constantes que vinham sendo aplicados trimestralmente, sinaliza perspectivas de novas reduções no preço do gás natural para o próximo período previsto para maio próximo. Esse cenário também sinaliza, de forma otimista, a manutenção do diferencial competitivo do gás natural em relação aos outros combustíveis.

Para o segmento automotivo, segundo Manoel de Deus, essa atratividade econômica deve situar-se em torno de 40%. Esclarece, contudo, que para obter a real vantagem econômica no uso do GNV é fundamental levar em consideração no cálculo a eficiência energética do veículo em relação aos outros combustíveis e a quantidade de quilômetros rodados, projetando os ganhos para um período, por exemplo, semanal, mensal e até anual e não comparar, apenas, os preços dos combustíveis nas bombas, já que esses preços são relativos a unidades diferentes.

 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Em 70 dias de medidas preventiva, 265 empresas são notificadas em JP

Setenta dias depois do início das medidas preventivas de combate ao Coronavírus na Capital, a fiscalização da Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) visitou 542 empresas, autuou…

Paraíba tem em média 900 casos de HIV/Aids detectados por ano

Vírus silencioso, algumas vezes não detectável, mesmo depois de quase quatro décadas do surgimento dos primeiros casos, a pandemia da Aids continua a ser um dos grandes desafios para a…