Fonoaudióloga dá dicas de como devemos cuidar da saúde vocal

 

Mesmo de olhos fechados é quase impossível não reconhecer figuras como Galvão Bueno, Cid Moreira ou Silvio Santos. E o que eles têm de comum que nos ajudam a identifica-los com facilidade? A voz. E por ser uma característica tão importante do nosso corpo, a voz tem até um dia em sua homenagem. Anualmente, no dia 16 de abril, é comemorado Dia Mundial da voz.

A data é marcada pelo reforço da conscientização sobre e a importância dos cuidados com a voz. Em todo o mundo, ocorre campanhas de combate e prevenção às doenças que podem causar alterações na voz e fala, como o câncer da laringe e da faringe.

Os primeiros sinais de distúrbios vocais podem ser percebidos logo na infância. De acordo com a fonoaudióloga Jacineide Oliveira, que atua na área há dois anos, as crianças podem apresentar um quadro chamado de disfonia infantil. Nesses casos, o acompanhamento com o fonoaudiólogo é fundamental. Assim é possível fazer uma avaliação perceptiva-auditiva e acústica e detectar as alterações vocais.

 As crianças que apresentam disfonia podem ter dificuldade para relatar acontecimentos e elaborar frases, déficits de memória, troca de sons na fala, problemas de fonação. Para a profissional que atua na área há dois anos, quando a criança demonstra esses sintomas, a avaliação médica é essencial, pois os problemas na linguagem podem indicar a presença de outros transtornos. As crianças autistas, por exemplo, geralmente sofrem com alterações na fala. 

Cuidando das cordas vocais

Os pacientes costumam só procurar um profissional de saúde quando apresentam distúrbios nessa região. No entanto, as nossas cordas vocais precisam de constante cuidado e, às vezes, acompanhamento médico.  

Para evitar cirurgias ou outros processos dolorosos por causa do uso excessivo da voz, a prevenção é o melhor caminho. Por isso, a fonoaudióloga Jacineide pontuou alguns cuidados importantes que podem ajudar a prevenir doenças e outros problemas na voz.

  • Beba bastante água (em temperatura ambiente) enquanto estiver falando, em pequenos goles. 
  • Mantenha uma alimentação equilibrada, evitando passar muito tempo em jejum e mastigando bem cada alimento ingerido;
  • Coma maçã, pois é adstringente e limpa o trato vocal;
  • Use roupas confortáveis e de tecidos que absorvam a transpiração. Roupas leves e folgadas são ideais para quem trabalha com a voz. 
  • Tenha um sono regular;
  • Evite competir com ruídos externos durante a fala;
  • Tente não gritar. Se for falar em público, opte sempre pelo microfone;
  • Fale pausadamente e de maneira correta, articulando bem as palavras; 
  • Evite tossir ou pigarrear, respire profundamente pelo nariz e engula a saliva várias vezes ou beba água;
  • Evite usar sprays, pastilhas e dropes que possuem efeito anestésico, isso pode mascarar os sintomas de alguma doença e permitir o abuso vocal.
  • Reduza o consumo de bebidas alcoólicas;
  • Evite bebidas à base de cafeína, refrigerantes, frituras e alimentos pesados, gordurosos ou condimentados, pois podem dificultar a digestão, provocando refluxo;
  • Evite cigarro.

Essas são as dicas mais comuns e que servem para o dia a dia, mas, em casos específicos, outras intervenções podem ser necessárias.

A Terapia da Fala

A Fonoaudiologia é uma ciência que estuda a fala e a audiologia. Isso quer dizer que, além de distúrbios vocais, de comunicação e linguagem, o fonoaudiólogo pode tratar de problemas relacionados a audição e equilíbrio. 

Além de tratar problemas de dicção, surdez gagueiras, esse profissional também pode atuar para aprimorar a potência vocal. A área inclui diversos ramos de atuação, como:

Audiologia – Trata de distúrbios auditivos;

Linguagem – Cuida da comunicação oral e também escrita;

Voz – Para tratar de problemas vocais;

Fonoaudiologia Neurofuncional – Para diagnóstico e reabilitação de problemas neurológicos e tantos outros.

Por desenvolver tantas habilidades, a área costuma ser muito atrativa. A estudante de fonoaudiologia, Valesca de Melo, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), conta que não conhecia muito a profissão. Hoje, cursando o 5º período, ela afirma que não trocaria seu curso por nenhum outro. 

A estudante compartilhou um dos motivos decisivos para a escolha profissional. “O que pesou muito também foi o tratamento que minha irmã mais nova fez com uma fono, porque ela tinha gagueira. Fiquei encantada com aquilo, em acompanhar como ela “curou” minha irmã”, elogia o tratamento.

O Educa Mais Brasil possui bolsas de estudo para o curso de Fonoaudiologia. Através da plataforma, é possível ter acesso a mais informações sobre a área e ainda encontrar bolsas de estudo com até 70% de desconto. 

 

Fonte: Agência Educa Mais Brasil 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Inmet emite alerta de fortes chuvas para JP, CG e mais 112 cidades

Por meio de release o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) publicou aviso de perigo ocasionado por acumulado de chuva para 114 municípios paraibanos, incluindo João Pessoa e Campina Grande, hoje…

Covid-19: em dez dias, JP registra mais de mil casos da doença

Os registros diários de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus (Covid-19) ainda continua subindo na Capital paraibana após quase 60 dias de isolamento social. Em dez dias, segundo dados do Governo…