Uma nova ferramenta está à disposição para centenas de famílias que vivem no semiárido da Paraíba, conhecido pelas longas estiagens e a brutal escassez de água potável: um dessalinizador solar de baixo custo, com capacidade para produzir água sem o uso de eletricidade, além de ser livre de produtos químicos.

A primeira versão finalizada do produto já atende a 300 famílias paraibanas. Seu modelo está disponível para acesso em um banco online de tecnologias e patentes, podendo ser replicado por qualquer empresa ou pessoa, de qualquer lugar do país, ajudando a solucionar a falta de acesso à água potável.

O dessalinizador é resultado de uma parceria entre a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e a Cooperativa de Trabalho Múltiplo de Apoio às Organizações de Autopromoção. Ele aproveita o grande potencial de energia solar da região e atende a assentamentos de agricultores familiares desde 2015. O produto foi reconhecido como “tecnologia social” pela Fundação Banco do Brasil (FBB), chegando a ser premiado pela entidade em 2017.

“A ideia [do dessalinizador] parte do princípio de que vivemos no semiárido. Os poços que a gente perfura, quase em sua totalidade, têm água salobra, água salgada, o que não serve para o consumo humano. Então, desenvolvemos junto com a UEPB essa tecnologia para exatamente fazer com que essa água salgada se tornasse uma água ideal para o consumo humano”, conta Jonas Marques de Araújo Neto, presidente da cooperativa.

“O primeiro impacto que o dessalinizador gerou foi maior solidariedade ainda entre eles [agricultores], porque um dessalinizador desse serve para quatro ou cinco famílias, não é uma questão individual. Dá uma média de 80 litros de água por dia, que é distribuída entre eles. Nós [da cooperativa] não temos o menor poder sobre isso, eles é que têm o verdadeiro poder e eles é quem dizem como vai ser dividida essa água”, disse, complementando que o modelo ajuda a fortalecer a comunidade.

Jonas também destaca a importância do consumo de água 100% potável para a saúde. “Você chega em um hospital público e pergunta: ‘depois dessa história do dessalinizador, quantas crianças apareceram aqui com dor de barriga, com subnutrição?’. Eles vão dizer para você, sem sombra de dúvida, que diminuiu muito”.

Dentre os outros benefícios da implantação da tecnologia é a possibilidade dessas famílias poderem manter seu estilo de vida no semiárido, desenvolvendo suas atividades profissionais e sustentando a família sem a necessidade de migrarem para outras regiões, nem recorrerem a subempregos precários das grandes cidades. “Isso faz com que as pessoas consigam ficar nas suas terras, consigam habitar o semiárido”.

O modelo consiste em uma caixa de placas pré-moldadas de concreto e cobertura de vidro fino, que permite a passagem de radiação solar. Assim, o dessalinizador possibilita o aumento da temperatura dentro da caixa, permitindo que a água armazenada na lona encerada evapore, à medida que todas as impurezas permanecem na caixa.

Em outras palavras, a água limpa e potável evapora e condensa na lona, enquanto os sais minerais, poeiras e demais detritos impróprios ao consumo humano são separados.

 

Fonte: thegreenestpost.com

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Azevêdo empossa os 1.000 aprovados em concurso do magistério na 2ª

O governador João Azevêdo empossa nesta segunda-feira (20) os 1.000 aprovados no concurso para o cargo efetivo de professor de Educação Básica 3, realizado em 2019. A solenidade será na…

‘Perdão pelo meu erro involuntário’, declara ex-secretário de Cultura

Após ser demitido pelo presidente Jair Bolsonaro, Roberto Alvim pediu perdão à comunidade judaica por ter copiado um discurso do ministro de propaganda da Alemanha nazista, Joseph Goebbels  em um vídeo oficial. Em seu perfil no…