Por pbagora.com.br

O Governo da Paraíba, através do procurador-geral do Estado, Drº Fábio Andrade, irá entrar na Justiça para derrubar a validade do decreto da Prefeitura de João Pessoa que libera aulas presenciais na capital?

No decreto estadual, as aulas em instituições de ensino continuam suspensas até pelo menos o dia 12 deste mês, quando deverá ocorrer uma reunião entre setores do Governo do Estado e da Educação.

O histórico do PGE é de altivez, com ações judiciais para derrubar dispositivos de decretos como os de Campina Grande, Cabedelo, Conde e Bayeux que estavam em desacordo com o do Estado. Um ponto muito combatido, por exemplo, foi a realização de cultos e missas presenciais.

Na Justiça, as vitórias foram fáceis, já que o entendimento o Supremo Tribunal Federal (STF) é o de que valem os decretos mais restritivos. Neste caso, logicamente, o do Estado.

O que estranha, neste caso, é que o prefeito de JP, Cícero Lucena, esteve reunido no sábado (3) com o governador João Azevêdo e as secretarias do Governo para debater a confecção do decreto estadual.

Aliás, os dois são parceiros administrativos e, até este momento, falaram a mesma língua em todas as questões nesses três meses em que Cícero exerce o mandato.

A PGE manterá o seu histórico e acionará a Justiça para derrubar esse item do decreto municipal? O que levou Cícero a editar um decreto, dois dias depois de conversar com João, confrontando o Estado? Essa movimentação indica um racha entre os dois? Cícero teria ficado descontente com uma suposta pouca flexibilidade do decreto do Estado?

O fato é que os decretos distintos sobre o funcionamento da educação causam insegurança jurídica. Se a PGE se omitir, alguma associação de professores ou de funcionários da Educação pode conseguir uma liminar na Justiça. O próprio Ministério Público pode entrar em ação…

Aguardemos as cenas dos próximos capítulos.

 

Felipe Rojas

PB Agora

Notícias relacionadas

Após nove meses de alta, setor de serviços na PB sofre redução

Após nove meses de resultados positivos, o volume de serviços na Paraíba registrou queda de 1% em fevereiro, frente a janeiro, de acordo com a Pesquisa Mensal de Serviço (PMS),…

Cabedelo: fornecedor aciona MP alegando calote da gestão Leto

O promotor de Justiça Ronaldo José Guerra, que atua na Promotoria de Cabedelo, abriu inquérito para investigar um suposto calote da gestão Leto Viana em um fornecedor de equipamentos médicos.…