O jornalista Gonzaga Rodrigues fez observação perfeita ao mostrar, em crônica há muito escrita, que João Pessoa nasceu de costas para o mar, nas margens do Sanhauá. Nesse ambiente que se entrecruza história da cidade, manguezais, rio e comunidade ribeirinha, outro "capítulo histórico" vem sendo criado, dessa vez pelo prefeito Luciano Cartaxo.

Sim, o alcaide pretende desalojar centenas de famílias que residem na comunidade Porto do Capim, tendo como argumento a construção de um parque ecológico. O projeto seria válido, caso não impactasse de forma negativa os que ali moram, em sua maioria pescadores que tiram do velho Sanhauá seu sustento para viver e sobreviver.

A problemática é antiga, o desespero dos ribeirinhos idem. Todos alegam que, ao saírem do seu “habitat”, muitos filhos, netos e bisnetos dos primeiros que ali se instalaram quando João Pessoa não passava de uma pequena província perderão muito mais que pão e peixe na mesa. Serão despejados das suas raízes culturais e sociais.

O conflito entre Davi e Golias é desleal, pois no caso em pauta a secular comunidade é pequenina ante a força de uma prefeitura, seu aparato administrativo e jurídico. E nesse meio, em zona “desmilitarizada”, está o Ministério Público Federal, que busca uma solução para o não despejo abrupto das famílias.

A situação é grave, merece um olhar especial dos poderes constituídos, a exemplo da Câmara de Vereadores que, alheia a toda problemática, literalmente parou seus trabalhos para avaliar se daria ou não o título de cidadão pessoense ao presidente Jair Bolsonaro. Assunto pouco relevante para a população de João Pessoa, menos ainda para os que ainda habitam no Porto do Capim.

Seria interessante que os vereadores (oposição e situação) tomassem ciência do problema e discutissem o assunto em plenário. Trazer à luz o que de fato está acontecendo naquele pedacinho da cidade. Talvez haja outros interesses além da construção de um parque ecológico. Talvez…

 

Eliabe Castor
PB Agora

 

 

 

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Poder Judiciário da Paraíba comemora Centenário do desembargador Sílvio Porto

O TJPB (Tribunal de Justiça da Paraíba) fará homenagem, às 17h00 desta quinta-feira, através da CCM (Comissão de Cultura e Memória) da instituição, ao Centenário de nascimento do saudoso desembargador…

OPINIÃO: para o G11, não basta ser aliado. É preciso ser governo e, para tanto, tem que participar…

Se porventura o governador João Azevêdo contava com o apoio incondicional do chamado G11, na Assembleia Legislativa, ou imaginou que este grupo daria sustentação política à sua gestão por simples…