Por pbagora.com.br

Eu ando com o mundo. Carrego todos os dias ele nas costas, como o pobre Atlas, castigado por Zeus. Eu vejo todos os dias mendigos, e a mendicância é algo similar à lepra na Idade Média. Daí a necessidade de perguntar: sou um mendigo? Um ser que busca ideias? Pede raciocínio e exala hipocrisia?

Eu ando pelo mundo. Percorro caminhos trilhados por Teseu em um labirinto louco, tosco e fantástico criado pelo Minotauro. Eu observo a intolerância humana e tento esquecer que um dia existiu o Tribunal do Santo Ofício e Holocausto. Apenas tento, pois é impossível “deletar” essas e outras atrocidades do ser humano contra a sua imagem, o seu espelho. Então pergunto: sou parte desse imenso ”purgatório”? Até que ponto a maldade reside no meu ser?

Eu ando para o mundo. E busco, a cada dia, entender o que nada sei. A impermanência da vida enquanto rito de passagem para outras dimensões. Observo atentamente o Oráculo de Delfos, numa ilusão romântica buscando combater meus moinhos de ventos e desvendar o curso da história. Então vem, de imediato, a indagação: quem, de fato, sou eu, e quem é você?

Eliabe Castor
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Covid-19: mais de 1900 pessoas já morreram da doença na Paraíba

Ao todo, 1.901 pessoas já morreram vítimas da contaminação pelo novo coronavírus (covid-19) na Paraíba. Os dados são do boletim epidemiológico emitido pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) nesta…

Opinião: Reminiscências da infância num recanto bonito do Brasil. Salve João Pessoa, nos seus 435 anos!

Eu tinha dois anos de idade quando, em 1958, cheguei para morar em João Pessoa. Nascido em Serraria, berço do cantor Roberto Luna, e que considero o centro do universo,…