Certamente todos já ouvimos falar que após os 40 anos se torna mais difícil conseguir um emprego. Isso pode se dá por várias razões, entre elas alguns preconceitos que fazem com que algumas empresas não quisessem ter funcionários mais velhos sob a justificativa de que estes não acompanhavam as mudanças, por exemplo. Mas esses fatores estão mudando, e devem ser vistos sob outra ótica, tendo em vista que a população brasileira está envelhecendo, e com perspectivas de que em 2040 chegue a 57% da força de trabalho no país. Houve também um aumento da expectativa de vida que, segundo o IBGE, passou para uma média de 76,3 anos. Além disso, outro dado que irá aumentar a participação de pessoas mais velhas é o recente aumento da idade mínima de aposentadoria.

Esta é uma realidade que muitos já estão se adaptando firmemente. Uma coisa é certa, quanto mais atributos e aprendizados o profissional tenha, maiores são as condições de encontrar uma boa colocação, independente da idade. E esse público está cada vez mais buscando essas melhoras, sempre de olho nas tendências. Uma delas é saber inglês. O mercado de trabalho exige o domínio de pelo menos uma língua estrangeira, e os mais velhos demonstram estar preparados. Segundo o EF EPI, estudo que avalia o nível de proficiência na língua inglesa, adultos mais velhos apresentam melhora em seu nível de estudo, enquanto que os mais jovens parecem ter relaxado nesse quesito. Esse se torna um diferencial verdadeiro, pois as empresas estão querendo trazer para seus times pessoas que tenham em seu currículo um bom nível, e que possam contribuir com a equipe.

Imagem Aevo

Agora, é necessário que façamos algumas observações quando tratamos de pessoas mais velhas buscando recolocação no mercado de trabalho. Há alguns grupos distintos e que exigem um nível de atenção devida. São eles:

  1. Aqueles que perderam seu emprego recentemente e que estão em busca de um novo. Esse grupo geralmente busca algo que já seja de sua área e pode ter o currículo enriquecido através de novos cursos, graduações, especializações, participações em palestras e workshops. Enfim, tudo que possa melhorar suas condições de encontrar uma nova colocação.
  2. Aqueles que desejam mudar totalmente o foco de sua profissão, buscando novos horizontes e até mesmo apostando em uma nova carreira. Muitas vezes esses profissionais já estão bem posicionados financeiramente e sentem uma real necessidade de se realizar de maneira pessoal. É um público que busca a carreira de seus sonhos e poderá desenvolver seu trabalho de maneira informal ou autônoma.
  3. Há um grupo de pessoas que deixaram de trabalhar há muito tempo, e por alguma razão precisam ou desejam se reinserir no mercado. Esse público é o que predominantemente apresenta dificuldades de encontrar um novo emprego se formos comparar com os mais jovens que estejam em busca da mesma vaga. Para eles é necessário mostrar atributos que sejam uma distinção como inteligência emocional ou cursos profissionalizantes, demonstrando ter foco e motivação para o cargo almejado. 
  4. E, por fim, temos os aposentados que preferem continuar trabalhando. Estes por vezes não têm tanta expectativa sobre os trabalhos que irão realizar, e muitas vezes investem em cargos que possibilitem maior liberdade e que sejam mais leves. Há empresas que estão de olho nesse público específico que passa maior credibilidade e segurança. 

 

Um ponto chave e que tem sido fundamental para que empresas contratem pessoas mais velhas tem sido o equilíbrio emocional. Este é um fator importante dentro de uma Organização onde quem tem jogo de cintura para conviver com pessoas e problemas se destaca. E pessoas mais velhas e que possuem a experiência já que passaram por algum tipo de dificuldade e soube buscar soluções. 

As empresas podem valorizar esse profissional que além de ser proativo, tenha a capacidade de numa convivência com os mais novos, trazendo respostas. Assinalando também que a convivência entre gerações é algo muito positivo quando há um equilíbrio dentro de uma empresa. A junção da capacidade de captar novas tecnologias dos jovens com a experiência e desenvoltura dos mais velhos é um diferencial extremamente positivo e que deve ser enxergado pela sociedade.

E embora seja um movimento mais recente, há de fato uma abertura maior das organizações que estão observando com mais atenção esse público de mais idade. Essa tendência já tinha sido vista em outros países cuja população também envelheceu e demonstra ser algo que se torna cada vez mais presente também em nosso país. Isso de fato é algo extremamente positivo para todos, já que são visíveis as contribuições para um país mais justo para todos.

 

Texto: Carla Leal

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Coronavírus: MEC decide antecipar formatura de estudantes da área de saúde

Medida vale para alunos dos cursos de Medicina, Farmácia, Enfermagem e Fisioterapia O Ministério da Educação (MEC) autorizou a antecipação da formatura de alunos dos cursos de Medicina, Farmácia, Enfermagem…

Covid-19: morte de enfermeiro da PB é foco de reportagem no SBT

Em matéria do programa Conexão Repórter do STB, de ontem (06), foi revelado a realidade e os desdobramentos da pandemia pelo coronavírus. Roberto Cabrini trouxe novas revelações, a partir de…