Por pbagora.com.br

Unimed JP faz balanço dos casos de covid 19 e orienta população a manter medidas sanitárias

Número de atendimentos de síndromes gripais aumentou, mas diretoria informou que o Hospital Alberto Urquiza Wanderley está preparado para o crescimento da demanda

 Diante do aumento do número de casos de covid-19 nas últimas semanas na Paraíba, a Unimed João Pessoa anunciou que está preparada para o crescimento da demanda. A informação foi divulgada pela diretoria da Cooperativa em uma coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (18), no auditório do Hospital Alberto Urquiza Wanderley. Mas, ao mesmo tempo em que tranquilizam os clientes, os diretores fazem um alerta à população: é preciso que todos mantenham as medidas sanitárias para evitar a disseminação do coronavírus.

Os dados mais recentes do Hospital Alberto Urquiza Wanderley, unidade da rede própria de atendimento da Unimed João Pessoa, mostram que a média de atendimentos de clientes com síndromes gripais na Urgência e Emergência chegou a 127,7 pessoas nesta semana. O número se aproxima do pico de atendimento da pandemia, em maio, que foi de 143,4.

Segundo o presidente do Conselho de Administração (Conad) da Unimed João Pessoa, Gualter Ramalho, a diferença entre os dois momentos é que, agora, o Hospital Alberto Urquiza está mais preparado para enfrentar a situação, principalmente no que diz respeito aos protocolos de segurança, à aquisição de insumos e equipamentos de proteção individual (EPIs) e à capacitação da equipe, que se tornou referência em conhecimento no tratamento da doença na Paraíba.

Gualter Ramalho explicou que, desde o início, o Hospital Alberto Urquiza Wanderley foi estruturado em um duplo fluxo – um para pacientes com síndromes gripais e outro para os outros tipos de atendimento. Essa estrutura sempre foi mantida, mas precisou ser reduzida em agosto por causa da diminuição no número de casos. Se necessário, a situação será revertida e haverá ampliação. Mas tudo vai depender da demanda. “Nada é estático. O que é importante deixar claro é que, a cada 15 dias, iremos fazer uma avaliação para tomar as medidas necessárias”, explicou. Esse intervalo corresponde ao ciclo de 14 dias do vírus.

Além de Gualter Ramalho, a entrevista coletiva contou com a participação do coordenador do Núcleo de Enfrentamento à Covid-19 e diretor de Provimento de Saúde da Unimed JP, Petrúcio Sarmento; do gestor de Serviços Hospitalares, Cleiton Moradillo; e do diretor clínico e técnico do Hospital Alberto Urquiza, José Calixto Filho.

Segunda onda – Sobre uma segunda onda de covid, de acordo com os dados coletados pela Unimed JP, o que se percebe é que está ocorrendo a infecção de pessoas que ainda não haviam sido contaminadas pelo coronovírus e não de reinfecção. Um ponto de atenção para as próximas semanas é que, em virtude da aglomeração causada pelas eleições, o número de casos pode vir a ter uma alta.

 Por isso, a Unimed João Pessoa está adotando algumas medidas preventivas para preservar a quantidade de leitos disponíveis. “Estamos mantendo e dando prioridade a cirurgias oncológicas, obstétricas e de urgência. Em todos os casos, protocolos rígidos garantem a segurança dos procedimentos”, afirmou Petrúcio Sarmento.

Melhores índices – O diretor clínico e técnico do Hospital Alberto Urquiza Wanderley, José Calixto Filho pontuou que, apesar do aumento no número de casos, a taxa de internação do se mantém inalterada. Ou seja, está dentro do que se programou. “Estamos tranquilos em relação ao número de leitos, equipamentos e equipe”, disse.

De acordo com ele, a unidade tem um desempenho igual ou até melhor do que alguns dos maiores hospitais do Brasil. Ele também destacou os rígidos protocolos de segurança adotados. “Tudo o que foi orientado, a gente tem feito”, afirmou.

Exames e teleconsulta – Apesar de dispor de todos dos exames para covid no Hospital Alberto Urquiza, os diretores da Unimed João Pessoa fizeram um alerta sobre a eficácia dos testes, particularmente dos sorológicos. Sem a indicação adequada, eles podem até atrapalhar. Cada um tem o momento certo e a situação específica para que seja realizado. É preciso cautela.

A principal recomendação ao suspeitar de ter sido contaminado já é conhecida de todos. “Ao surgirem os sintomas, a primeira coisa a fazer é se isolar”, orientou Petrúcio Sarmento. Ele informou que, para auxiliar os clientes, a Unimed João Pessoa oferece a Teleconsulta, que pode ser acessada através do Portal Unimed JP (www.unimedjp.com.br/teleconsulta).

Responsabilidade e liderança – Gualter Ramalho destacou que a Unimed João Pessoa convocou a coletiva porque tem uma responsabilidade pública, assumiu um protagonismo no atendimento à covid diante dos resultados alcançados e tem um compromisso com uma carteira de 250 mil vidas, incluindo os seus clientes ou aqueles atendidos através do sistema de intercâmbio (clientes de outras Unimeds que se encontram na Capital) e da Cassi. “Nós atendemos a um quarto da população de João Pessoa. Dessa forma, cumprimos um papel social também de desafogar o SUS”, comentou.

O gestor de Serviços Hospitalares, Cleiton Moradillo, também destacou o papel de liderança ocupado pela Cooperativa em relação à covid no Estado. “O que a Unimed JP tem feito não é só para os seus usuários. É para todos os paraibanos”, afirmou. Ele reforçou que isso não diz só respeito à estrutura do Hospital Alberto Urquiza Wanderley, mas à capacitação da equipe.

Para finalizar, o presidente da Unimed JP, Gualter Ramalho, faz um pedido à população: “Voltem a fazer o seu dever de casa e a gente continua preparado para atender a todos, se for necessário.”

 

Assessoria

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Valberto Lira não descarta dissolução de torcidas organizadas na PB

O procurador do Ministério Público da Paraíba e coordenador do Núcleo de Defesa do Consumidor, Valberto Lira, não descarta a possibilidade de solicitar o fim das torcidas organizadas. A medida…

OPINIÃO: Acordos e palavras empenhadas para 2022 têm o valor de risco n’água

Acordos políticos selados em 2020 com projeção para 2022 têm a consistência de um risco n’água. Ou seja, não valem nada e os agenciadores desses “compromissos” sabem muito bem disso.…