A Paraíba o tempo todo  |

Condenado por estupro de vulnerável na PB tem condenação mantida

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba manteve a condenação de um homem, acusado de praticar ato libidinoso com uma menor, que na época dos fatos (março de 2019) contava com 12 anos de idade. Segundo consta nos autos, o denunciado beijou a vítima, de maneira forçada e contra a sua vontade, ofendendo, portanto, sua dignidade sexual, agindo com inequívoca intenção de satisfazer sua concupiscência.

De acordo com a peça acusatória, em virtude de residirem na mesma vizinhança, não raras vezes os genitores da vítima contratavam o acusado para prestar serviços domésticos e afins, de modo que o mesmo tinha acesso à residência. Assim, no dia dos fatos, por volta das 12h30, o réu, aproveitando-se da ausência dos genitores da menor, adentrou na residência da vítima e passou a exigir da ofendida fotos íntimas, de biquíni e de calcinha. Não satisfeito, tentou beijar a vítima à força e de forma invasiva, o que não se tornou mais grave em razão de aquela haver se desvencilhado dos braços do acusado e se trancado no quarto.

Perante a 2ª Vara da Comarca de Sapé, o réu foi condenado, nos termos do artigo 217-A do Código Penal (ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 anos), a uma pena de oito anos, um mês e 15 dias de reclusão, a ser cumprida em regime semiaberto. Inconformada, a defesa apelou da decisão, pugnando pela absolvição do réu, tendo em vista inexistirem provas da materialidade e autoria delitivas. Subsidiariamente, apelou pela redução da pena aplicada.

A relatoria do processo nº 0000284-67.2019.815.0351 foi do Desembargador Carlos Martins Beltrão Filho. Segundo ele, ainda que não tenha havido penetração nos órgãos genitais da vítima, as meras práticas lascivas já são suficientes para atrair a incidência do tipo penal descrito no artigo 217-A, caput, do Código Penal. “Entendo incontroversas a materialidade e a autoria do delito, devendo ser mantida a sentença guerreada, não havendo que se falar em absolvição por ausência de provas”, pontuou.

Da decisão cabe recurso.

Da Redação com TJPB

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      1
      Compartilhe