Por pbagora.com.br
A health worker manipulates a dose of the Coronavac vaccine at a drive through vaccination center at the Sambodrome Rio Carnival venue, in Rio de Janeiro, Brazil, on February 6, 2021. – Brazil’s regulators gave conditional approval for Sinovac Biotech Ltdís shot, CoronaVac, clearing the way for general use. Elderly and at risk members of the population have been given priority. (Photo by CARL DE SOUZA / AFP)

A Secretaria de Saúde de Campina Grande vem realizando um levantamento preliminar, desde a última quarta-feira, 28, após a aplicação das doses da vacina CoronaVac que foram destinadas à imunização dos idosos com segundas doses atrasadas no Município. A Coordenação Municipal de Imunização identificou que muitos frascos apresentaram menos unidades da vacina do que o normal, o que resultou em uma diferença de 11,9% no total de doses verificadas até o momento.

Isto aconteceu, de acordo com a observação de toda a equipe de vacinadores nos vários locais de vacinação, porque muitos frascos do imunizante, que deveriam apresentar o quantitativo de 10 doses da vacina, tinham somente 9 ou até 8 doses. Este problema não pode ser verificado anteriormente, sendo constatado apenas no momento da aplicação da vacina e, por isso, foi impossível fazer um planejamento para evitar que as pessoas fossem até os pontos de vacinação sem garantia da imunização.

Somente na última terça-feira, 27, foi registrado um déficit de 380 doses do total enviado para os locais de vacinação. Na Pirâmide do Povo, as supostas 1.500 doses enviadas renderam, na verdade, apenas 1.310. No Clube Campestre foram destinadas 600 doses, que renderam somente 514. Nos Centros de Saúde foram destinadas 1.350 doses que, ao final, eram apenas 1.256. Os dois frascos enviados para vacinação de idosos acamados deveriam ter 20 doses e tinham, no entanto, 18. E no Hospital Universitário Alcides Carneiro, 15 frascos renderam somente 130 unidades do imunobiológico, quando deveriam render 150. Assim sendo, das supostas 3.170 enviadas no dia, havia apenas 2.790 doses, na realidade.

Outros registros no Brasil 

Esta diferença já foi registrada em outros Municípios de vários Estados, mas é a primeira vez que ocorre em Campina Grande em maior escala. A Secretaria Municipal de Saúde está fazendo o registro no sistema e-SUS Notifica, plataforma adequada para reportar estes problemas, a fim de pleitear o envio das doses.

“A despeito do que foi informado inicialmente como causa para a falta de doses, se referindo às perdas técnicas, após esta conferência minuciosa, ficou evidenciado que não se tratou de um erro no manuseio e transporte da remessa, mas de uma diferença significativa no quantitativo de doses apresentado e o efetivamente existente”, disse o Secretário de Saúde, Filipe Reul.

O levantamento continua sendo realizado para verificar o déficit total da remessa. A Coordenação Municipal de Imunização está fazendo o levantamento preciso da quantidade de pessoas  que ficaram sem receber a segunda dose, mas o Secretário garantiu que este público terá seu esquema vacinal completado.

Da Redação com Assessoria

Notícias relacionadas

Na PB, PSOL descarta qualquer tipo de diálogo ou aliança com PSD para 2022

Ao comentar as declarações do presidente estadual do PT, Jackson Macêdo, de que o PT estaria aberto ao diálogo e a alianças com o PSD e outros partidos da seara…

PL de Santiago pode beneficiar enfermeiros com piso de até R$ 11 mil

No dia em que é celebrado o Dia Internacional da Enfermagem, o deputado federal Wilson Santiago protocolou, na Câmara dos Deputados, o projeto de Lei n. 1773/2021 que propõe uma…