A Diretoria de Operação e Manutenção da Cagepa esclareceu, no início da tarde desta terça-feira (23), a informação divulgada pela manhã, pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP), de que o surgimento de um buraco, na rua Índio Piragibe, no bairro do Varadouro, na capital, foi provocado por vazamento na rede de esgotos operada pela Companhia.

De acordo com o diretor de Operação e Manutenção da empresa, engenheiro Joaquim Almeida, ao contrário do que foi dito equivocadamente pela PMJP, o buraco não foi ocasionado por problemas na rede de esgotamento sanitário, e sim por rompimento na tubulação de água que abastece aquela localidade. “Ou seja, foi um problema imprevisível que, assim que tomamos conhecimento, iniciamos todos os reparos necessários ”, reforçou o diretor. 

“É importante lembrar ainda que, como estabelece a legislação em vigor na Capital, nas situações de emergência ou imprevisibilidade, como foi neste caso da Índio Piragibe, só após constatado o fato é que a Cagepa é obrigada a comunicar à edilidade municipal. E foi assim que procedemos”, disse.

Joaquim Almeida ainda informou que técnicos da Cagepa estão trabalhando no local, desde as primeiras horas de hoje, para consertar o vazamento da tubulação e, posteriormente, efetuar o reparo do pavimento danificado. A previsão é para que todo o trabalho esteja concluído até esta quarta-feira. “Estaremos trabalhando durante toda à noite para efetuar a troca de 36 metros de tubulação”, finalizou.

 

Redação

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Na PB, pilotos da Força Nacional trocam conhecimentos sobre aviação

O Grupamento Tático Aéreo (GTA) da Paraíba vai receber pilotos da Força Nacional de Segurança Pública para troca de conhecimentos na área de aviação, durante 90 dias. A vinda dos…

Homem que estava armado durante um velório é condenado

O juiz José Emanuel da Silva e Sousa, da 3ª Vara da Comarca de Pombal, condenou a uma pena de dois anos de reclusão e 10 dias-multa um homem que…