O Programa Bolsa Família (PBF) virou um verdadeiro ‘meio de vida’ para a população mais pobre e vulnerável, contrariando o caráter emergencial do programa, que é pautado na promoção do alívio imediato da pobreza e da fome, por meio da transferência direta de renda à família. O problema é que, em alguns casos, os parcos recursos do benefício, que deveriam funcionar apenas como um complemento de renda, passam a ser a única ou a principal renda da família. Marilene do Nascimento, de 38 anos, doméstica e atualmente desempregada, é uma das 34 mil famílias que recebem o Bolsa Família na capital paraibana e 407.619 famílias nos 223 municípios da Paraíba. Ela sustenta cinco filhos, de 9 a 16 anos, com R$ 152, dos quais R$ 122 são do Bolsa Família e R$ 30 do ProJovem.

Marilene está no programa há cerca de três anos. Morava na casa da mãe, mas há três meses está morando, com as crianças, em um galpão invadido da Estação Ferroviária da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) e conta que, há sete meses, está desempregada, mas dá graças a Deus quando consegue uma faxina, embora para ganhar apenas R$ 30. “Já ajuda, porque com o dinheiro do Bolsa Família, mal dá para comprar comida, e fica faltando dinheiro para roupa e sapatos para as crianças”, disse. “A gente fica rezando para os meninos não adoecerem, para não ter que comprar remédio”, acrescentou. Ela trabalhou durante algum tempo para terceiros, vendendo espetinhos de churrasco, ganhando R$ 40 por mês, mas por conta de desentendimento com a proprietária, decidiu sair. Hoje, ela quer juntar dinheiro para comprar sua própria carroça para vender espetinhos, com seus filhos, mas disse que está difícil, com o dinheiro que recebe por mês.

Mesmo quem tem um pouco de qualificação, encontra dificuldade de conseguir emprego, e acaba refém do dinheiro do Bolsa Família. “Eu recebo R$ 102 do Bolsa Família, e com isso dá para levar. Minha irmã faz faxina e minha avó, aposentada, também ajuda como pode”, revelou a balconista desempregada há dois anos, Gerlane da Silva, de 26 anos, moradora do bairro do Róger. Com o dinheiro, ela alimenta a filha Fabíola e a sobrinha Janaína, ambas com 8 anos de idade.

Há três meses, Gerlane deixou seu currículo no Sistema Nacional de Empregos (Sine), mas embora tenha o ensino médio, curso de informática e de secretariado, do Senac, disse que, até o momento, não foi chamada para trabalhar. “Eles contratam por perfil. Quando a gente chega lá, já tem outra pessoa no lugar”, disse. Ela já se submeteu a duas entrevistas de emprego, mas ainda não conseguiu trabalho, e nem mesmo como balconista de lanchonete conseguiu colocação novamente. Mas para ela, nem todo mundo quer trabalhar, depois que ganha o benefício do Bolsa Família, conforme revelou alguns casos. “O povo se acomoda, e muito. Diz que dá para viver”, disse. Este mês, o dinheiro do Bolsa Família também ajudará a comprar o material escolar das meninas.
 

Jornal da Paraíba

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Conselho de Psicologia repudia fala de Eliza sobre depressão e critica desrespeito ao sofrimento humano

A recentes declarações da vereadora Eliza Virgínia, que declarou ter oferecido uma arma para um amigo com depressão que confidenciou a ela que queria tirar a sua própria vida, vêm…

Caminhão carregado de maracujá tomba e moradores furtam carga, na PB

Nesta segunda-feira (14) um caminhão carregado de maracujá tombou na BR-101, próximo a cidade de Santa Rita, na Grande João Pessoa. De acordo com as informações, o motorista do caminhão…