O secretário executivo de Estado da Comunicação Social, Tião Lucena, usou o seu blog para esclarecer os motivos pelos quais estaria deixando o cargo.

De acordo com Tião, no mês de fevereiro deste ano e por motivos de ordem pessoal, ele solicitou ao governador João Azevêdo sua exoneração, pedido este que foi reiterado em março, já que não houve resposta alguma ao seu primeiro comunicado. Em relação ao pedido feito em março, Tião afirma que “recebeu o silêncio como resposta”.

Ainda segundo o texto postado pelo jornalista, uma conversa entre o governador e ele nesta quinta-feira (1º), na Granja Santana, lhe deu a certeza que não estaria mais fazendo parte da gestão atual. “Saí da Granja Santana com a certeza de que ali não poria mais os pés como auxiliar do Governo”, escreveu.

Confira texto de Tião Lucena na íntegra:

A título de esclarecimento

No dia 08 de fevereiro do ano da graça de 2019 pedi por escrito ao governador João Azevedo exoneração do cargo de Secretário Executivo da Comunicação Social.

Aleguei motivos de ordem pessoal.

Como o governador não disse que sim nem que não, reiterei o pedido em 10 de março.

Recebi silêncio como resposta.

O motivo ou motivos, não os declinarei aqui. São, como disse na correspondência enviada ao governador, de ordem pessoal e, por sê-los, somente a mim dizem respeito.

Hoje tive uma conversa olho no olho com o governador João Azevedo, menos de 24 horas depois de Luís Torres decidir sair da Secom.

Saí da Granja Santana com a certeza de que ali não poria mais os pés como auxiliar do Governo.

Deixo a Secom em paz. Volto à Procuradoria Geral do Estado, minha casa, para fazer o que gosto, que é defender o Estado nas contendas judiciais.

Eu não pretendia escrever sobre a minha saída da Secom. Achei que se tratava de uma coisa comum. Como disse ao governador, os cargos comissionados são efêmeros e ninguém tem o direito de se considerar dono deles.

Mas houve quem interpretasse a minha saída, a pedido, como sendo uma exoneração unilateral determinada pelo governador.

Então faço o registro.

Saí da Secom porque pedi pra sair.

Volto à PGE porque é um direito meu.

E continuo jornalista, dono deste blog.

 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Covid-19: PB tem mais de 14 mil casos; 26 cidades não têm registro da doença

Com base em dados divulgados pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Saúde (SES), apenas 26 cidades paraibanas não têm registro do novo coronavírus (Covid-19). A doença…

Justiça autoriza loja de artigos esportivos a funcionar no serviço de delivery

Durante o Plantão Judiciário, a juíza Maria de Fátima Lúcia Ramalho proferiu decisão nos autos da ação nº 0830549-79.2020.8.15.2001, determinando que o Estado da Paraíba e o Município de João…