Às primeiras horas de hoje fui brindado com um “textaço” da autoria de Luis Nassif. O brinde me foi oferecido pelo meu eterno mestre e primeiro chefe de reportagem, Frutuoso Chaves. Assim como Frutuoso (segundo ele próprio disse), eu também gostaria de ter escrito esta pérola. Como não o fiz, pelo menos transcrevo aqui, porque enobrece qualquer espaço e merece ser lido atentamente.

Eis o texto:

A Lava Jato e os indignos filhos do Januário, por Luis Nassif

A faceta mais óbvia do fascismo é a banalização do mal, a desumanização das vítimas, uma das características do direito penal do inimigo.

Anivaldo Padilha, torturado pela ditadura militar, narra uma cena que explica bem a banalização do mal. Estava sendo torturado por um torturador implacável. Aí toca o telefone. A sessão é interrompida e torturador atende. Do outro lado, a filha. O torturador se enternece:

– Oi, filha, o papai já vai, fique tranquila, já estou indo.

E volta mais feroz ainda, porque a resistência do torturado estava atrasando a ida dele para os compromissos familiares.

A faceta mais óbvia do fascismo é a banalização do mal, a desumanização das vítimas, uma das características do direito penal do inimigo.

Os diálogos da Lava Jato sobre as mortes dos parentes de Lula – divulgados pelo The Intercept e UOL – são a comprovação definitiva de como o fascismo se espalha, contaminando corações e mentes de pessoas de pequena estatura moral.

A celebração da morte, por esses procuradores indignos, entrará definitivamente para a história. No futuro, será erguido um Panteão dos Atos Indignos, para lembrar esses tempos tenebrosos que se iniciam com a Veja, prosseguem com a Lava Jato e se encerram com Jair Bolsonaro, todos da mesma natureza, banalizadores do mal, cultivadores da morte, da selvageria, deslumbrados com o poder que receberam, mentes sádicas, se comprazendo em liquidar com reputações, empresas, empregos e não demonstrar respeito nem pela morte.

No Panteão dos Atos Indignos, esses diálogos ocuparão lugar especial, ao lado de frases escolhidas de Bolsonaro e filhos, todos da mesma laia, da mesma natureza moral, e entronizarão os nomes de Januário Paludo, Monique Cheker, Thamea Danellon, Laura Tessler, Jerusa Viecili, Roberto Pozzobon, Deltan Dallagnol, para que não se esqueça, não se repita. A lembrança desses diálogos atravessará os tempos, amaldiçoando a memória dos comensais desse banquete de horrores, será um peso na memória dos seus filhos e netos, uma mancha que se estenderá por gerações.

Tolos, medíocres, como o mais reles dos bolsominions, incapazes de enxergar para além do momento de paroxismo, de avaliar os desdobramentos futuros sobre sua própria história e biografia. E, no Twitter, invocando o nome de Deus e da fé, meramente porque falar de Deus e da fé se tornou um bom negócio.

Restaram, no diálogo, as observações do mais vulnerável e sensível dos procuradores, Diogo Castor, o que se deixou influenciar por colegas mais velhos, a ponto de se expor em críticas abertas a Ministros do Supremo, enquanto as raposas velhas usavam o biombo de partidos políticos e movimentos de rua para não se expor. Diz ele, por ocasião do velório do irmão Vavá: “Entendo as ponderações. Considero razoáveis. Mas mesmo assim não acho que ele possa ser penalizado por causa disso, sendo que a lei prevê que todos os presos em regime fechado tem esse direito”.

E Januário Paludo, o mais experiente do grupo: “O safado só queria passear”.

PS: texto transcrito do seguinte endereço: https://jornalggn.com.br

 

Wellington Farias
PB Agora

Total
3
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Na ALPB, Segurança expõe ações de enfrentamento aos feminicídios na PB

Discutir ações de prevenção e enfrentamento à violência contra mulheres, especialmente aos feminicídios. Esse foi o objetivo de uma sessão especial realizada pela Assembleia Legislativa das Paraíba (ALPB), com a…

ALPB aprova projetos que beneficiam pessoas com deficiência

Os deputados da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) fizeram um esforço, durante a sessão ordinária desta terça-feira (12), para aprovar diversos projetos que beneficiam as pessoas com deficiência em todo…