Por pbagora.com.br

A Associação de Defesa das Prerrogativas de dos Delegados de Polícia Civil da Paraíba divulgou nota nesta quarta-feira (18) em solidariedade ao delegado da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), acusado de receber propina para beneficiar traficantes da Grande João Pessoa.

Confira a nota na íntegra
A ADEPDEL vem diante dos fatos expostos pela imprensa, mais precisamente pelo site www.pbagora.com.br e pelo programa exibido na emissora Arapuã FM, Rádio Verdade, os quais exibem matérias que no seu cerce constam que o delegado Walter Brandão (Delegado Titular da DRE), e seus agentes de investigação os quais se envolvem, conforme as denúncias, em corrupções atinentes ao andamento de seus trabalhos.

Durante o programa de rádio, o assessor de imprensa da Secretaria da Segurança e de Defesa Pessoal, Ainoã Germiniano, utilizou como argumento, insinuações no sentido de duvidar da conduta de outras autoridades policiais, informando ainda que o referido áudio é datado de julho de 2008 e acrescentou que o Secretário tinha a ciência do fato, adiantando ainda que a utilização do áudio seria um meio imposto por essa entidade, como meio para coibir a referida autoridade a aderir ao movimento.

Conforme sempre fora exposto pela Diretoria da ADEPDEL, essa preza pela conduta transparente e fundamentada em amparo legal, não admitindo qualquer insinuação no sentido de que o referido áudio, objeto que fundamentou as acusações, fosse disponibilizado por delegados “grevistas” em virtude do delegado ora mencionado não ter aderido ao movimento paredista.

Causa indignação à essa Diretoria, em razão dos seguintes elementos:
1 – Até a presente data, o movimento paredista, no que tange ao método de argumentações, atos e qualquer mobilização, em nenhum momento foi fundamentado em meios vis e desonestos para obter êxito em suas reivindicações, e que qualquer outra insinuação dessa natureza serão tomada as medidas jurídicas e legais para a respectiva responsabilização civil e criminal;

2 – O Delegado Walter Brandão é um membro associado à essa entidade e sempre demonstrou disponibilidade quanto à participação do início do movimento, fato comprovado na ata da primeira assembléia.

3 – Em virtude de sempre pautarmos no uso da legalidade e da moralidade nas ações policiais, entendemos que tal fato deve ser apurado na forma da lei e não utilizado pela imprensa como meio de eivar a conduta dos policiais ora mencionados;

4 – Ainda corroborando pela aplicação da justeza na conduta dos gestores públicos, questionamo-nos o motivo pelo qual até o momento tal transgressão não teve sequer qualquer procedimento instaurado seja na esfera administrativa ou criminal, já que o fato era de conhecimento do Gestor da Pasta desde julho de 2008;

5 – Tratando-se de Colega e Associado, exigimos a apuração da conduta para que a imagem de um profissional não seja maculada em razão da falta de diligência do Secretário da Segurança o qual deveria ter comunicado o fato à Corregedoria de Polícia, vulnerando a conduta de um profissional à julgamento sumário da sociedade.

Por fim, esclarecemos e explicitamos que toda e qualquer conduta, seja ela oriunda de qualquer autoridade ou categoria, deverá ser HONROSA, LEGAL, LEGÍTIMA E JUSTA e seja qual for o fato e sua origem, a referida entidade não coaduna com qualquer ato eivado de vícios ilegais.

 

 

Da Redação

Notícias relacionadas

Estado deve indenizar homem que passou seis meses preso indevidamente na PB

Estado deve indenizar homem que passou seis meses preso indevidamente A Quarta Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba deu provimento parcial à Apelação Cível nº 0800800-85.2017.8.15.0331, oriunda da…

Prefeitura de CG diz que cancelamento do São João não está confirmado

Em nota emitida pela Prefeitura de Campina Grande na manhã desta terça-feira (02), o prefeito Bruno Cunha Lima esclareceu que ao contrário do que está repercutindo sobre um possível cancelamento…