Tudo pronto na comunidade Lagoa de São João, em Princesa Isabel, para a realização da 17ª Festa da Mandioca que começa nesta sexta-feira (20) e vai até domingo (22), com uma perspectiva de público com mais de 10 mil pessoas entre agricultores familiares, mandiocultores, convidados e autoridades do setor agrícola da Paraíba e de estados vizinhos, como Pernambuco e Rio Grande do Norte.

O evento é realizado pela Associação dos Pequenos Agricultores de Lagoa de São João, com apoio e parcerias do Governo da Paraíba, da Prefeitura de Princesa Isabel, da Empaer, do Banco do Nordeste, Sebrae, CDL, Wolf Digital e do IFPB.

A programação da 17ª edição da Festa da Mandioca, que será aberta oficialmente às 20h da sexta-feira (20), envolve celebração eucarística, feira e exposição de produtos derivados da mandioca, concurso de culinária, escolha da princesa e da rainha da festa, shows musicais, apresentações culturais, cursos, palestras e cavalgada.

Otimista com a organização do evento, o gerente regional da Empaer de Princesa Isabel, Hermes Maia, disse esperar um bom retorno financeiro durante os três dias da Festa. “ Estamos aguardando uma movimentação financeira em torno de R$ 500 mil, com produtos, derivados, serviços, gastronomia e comércio”, estimou.

A comunidade Lagoa de São João abriga uma população de 412 famílias agricultoras que sobrevivem plantando a cultura da mandioca em 220 hectares de terra, que lá mesmo é beneficiada e transformada em farinha, goma e outros derivados do produto, que são vendidos em feiras livres, supermercados e mercearias locais, da região de Teixeira e de Pernambuco.

Início – Criada em 2002, pela então coordenadora regional da extinta Emater, a extensionista social Teresa Cristina de Carvalho, a Festa da Mandioca, além de fortalecer a cadeia produtiva da cultura, atrai investimento para o setor e outras cadeias produtivas da Serra do Teixeira, oportuniza negócios e gera emprego e renda no campo. Não é sem razão que o povoado de Lagoa de São João, onde acontece a festa, é considerado hoje um dos maiores produtores de mandioca do Nordeste e produz uma das melhores farinhas do País.

Para Tereza Cristina, a Festa da Mandioca tem um relevante contexto socioeconômico e cultural para o município de Princesa Isabel, uma vez que a mandioca transformada em gêneros alimentícios gera renda. “É por meio da divulgação da culinária, dos produtos e subprodutos da mandioca que se promove o desenvolvimento econômico e das competências e habilidades práticas das pessoas envolvidas no processo da festa”, observou.

Aproveitamento – Segundo Cristina, da mandioca tudo se aproveita, inclusive a casca, raízes e folhas. “Em seu aproveitamento total é possível criar variados pratos e guloseimas, evitando o desperdício”. Ela informa que existem dois tipos de mandioca: a mansa e a brava. A primeira é a conhecida macaxeira que é aproveitada in natura ou em pó e utilizada na produção de purês, bolos pudins, biscoitos, entre outros alimentos. Já a brava é usada na fabricação de farinha, goma e derivados como beijus, bolos e tapiocas.

 

Secom/PB

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Mesmo sem horário de verão, celulares adiantam relógio em uma hora neste domingo

Na manhã deste domingo, 20, parte da população foi surpreendida pela atualização errônea do horário de verão em celulares e outros dispositivos. O horário foi atualizado automaticamente pelas operadoras de…

Crea alerta para perigo com prédio antigo e inacabado em Campina Grande

No começo dessa semana, o Brasil acompanhou a tragédia com o desabamento do Edifício Andrea em Fortaleza. O caso acendeu uma alerta para os prédios antigos e inacabados. Em Campina…