O Governo do Estado está ultimando os preparativos para a primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa, que será realizada durante todo o mês de abril. A meta é vacinar um milhão de cabeças de bovinos, que inclui, ainda, os bubalinos (búfalos), a fim de ter uma cobertura segura e, assim, evitar foco da doença no Estado. O objetivo é possibilitar a conquista do selo de Zona Livre de Febre Aftosa, com o qual a Paraíba poderá exportar sua produção de carne bovina.

Os criadores paraibanos terão 30 dias para vacinar o rebanho e mais 10 dias para entregar o comprovante nos Escritórios da Defesa Agropecuária ou na Emater. Para tanto, o Governo do Estado, através da Secretaria de Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca, está fazendo um apelo aos criadores para adquirirem a vacina nas mais de 100 farmácias cadastradas.

O gerente executivo da Defesa Agropecuária, Ricardo Leite, ensina que, depois de comprada, a vacina deve ser acondicionada em um isopor com gelo a uma temperatura de 2 a 8 graus, com abrigo da luz, e aplicada o mais rápido possível.

Ele observou que o combate à aftosa é uma questão nacional, tendo em vista que o Brasil é o maior produtor e exportador de carne do mundo – tem o maior rebanho comercial, e a doença é considerada uma barreira sanitária para o comércio internacional. Daí a importância de todos os estados realizarem a campanha, procurando imunizar a maior quantidade de animais possível.

A segunda etapa da campanha de combate à febre aftosa acontecerá no mês de outubro, a exemplo dos anos anteriores, mas o Governo do Estado está pleiteando a auditoria do Ministério da Agricultura para o mês de setembro para concessão do certificado de Zona Livre de Febre Aftosa.

Os rebanhos

O rebanho bovino e bubalino paraibano está estimado em aproximadamente 1,3 milhão de cabeças e o último foco de febre aftosa registrado no Estado foi no ano de 2000, na região de Guarabira. Entretanto, Ricardo Leite adverte que o criador não deve relaxar e lembrou o caso de Mato Grosso do Sul, que possui a maior pecuária nacional e, recentemente, foi obrigado a sacrificar animais e isolar a área por causa de um foco de aftosa.

O fato gerou desemprego no campo e o fechamento de frigoríficos. “Os produtores têm que nos ajudar para que essa vacina tenha cobertura alta e evitar que ocorra um caso da doença na Paraíba, prejudicando a economia local”, observou.

 

SECOM

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Jovem com tornozeleira é flagrado com 3 kg de drogas no Sertão

A Polícia Militar apreendeu 3kg de maconha com um suspeito de atuar no tráfico de drogas no bairro Santa Clara, na cidade de Patos, no Sertão da Paraíba. Essa é…

Dr. Paula pede licença e Jane Panta assume mandato na ALPB

A deputada estadual, Doutora Paula (Progressistas), protocolou, nesta terça-feira (15), licença de 123 dias na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB). Com a licença, quem deve assumir a titularidade do mandato…