A Paraíba o tempo todo  |

Opinião: Israel se propõe a vacinar crianças de seis meses a cinco anos de idade

Publicação do jornal israelense “The Time Of Israel” tem percorrido o planeta e trazido inquietação no mundo da ciência com seus prós e contras quanto a vacina contra o COVID-19, que Israel pretende dar início no próximo mês de abril de 2022, aplicando-a em nossos infantes. Em ciência e tecnologia, Israel traz os Campus mais desenvolvidos da terra. Esse país é visto pelo mundo como um centro de inovação global na área da ciência. Na verdade, mais de 19% dos prêmios Nobel do mundo foram concedidos a cidadãos de ascendência judaica.

Quando Israel se propõe a vacinar essa categoria de idade infantil contra a COVID-19, a primeira coisa que vem à mente daquele que é analítico dos fatos é: “até onde vamos seguir com essa ameaça pandêmica em nosso meio?” Esse tipo de proposta de Israel nos diz hoje que, todavia, não há uma luz no fim do túnel que sirva de bússola orientadora ao homem quanto a esse mal que invade e assola toda a terra.

Enquanto a vacina era aplicada só em adultos, tinha lá suas oposições, porém, eram aceitáveis. Agora que os bracinhos de nossas crianças vão ser perfurados, essa preocupação aumenta. Em março de 2022, irá fazer dois anos que esse mal deu a cara ao mundo, nos visitou e resolveu fazer morada em nosso meio. Para aquele que se preocupa com o final dos tempos, lê e assiste seriados apocalípticos, principalmente as profecias da “Bíblia Sagrada”, está a se perguntar: “em que período estamos dessas profecias?”

Os líderes políticos mundiais estão sem respostas, líderes religiosos dos mais variados segmentos de fé foram tomados de surpresa por esse tsunami do mal que saiu não sei de onde. Todos estão à espera de uma resposta e não de uma resposta qualquer e simplória. Necessitamos de uma resposta firme e concreta. A paz, saúde e economia do mundo estão sendo duramente abaladas e destruídas por esse terrível tsunami. Faz dois anos que esse mal passeia em nosso meio e não encontramos uma via de escape.

Agora, nossas crianças são a bola da vez, isso afeta toda nossa estrutura de sentimento e amor pelos nossos bebês. Nos encontramos limitados e incapazes, sem possuir armas nas mãos para defender nossos infantes. Tenho quatro netos de 1 a 4 anos de idade, todos foram atacados. Me senti inútil e incapaz, pois tudo se deu numa só semana, além de minha esposa, filhos, nora e genro, todos sofreram o mesmo. Até agora só eu escapei. O meu caso não é isolado, sei que muitos tem passado pelo mesmo e ainda pior, pois muitos perderam entes queridos e outros ficaram com sequelas permanentes. Esse não foi meu caso, Deus foi misericordioso para com minha família. Porém, isso não me impede de sentir e sofrer com o meu próximo a sua dor.

A você que traz fé, clame aos Céus e invoque o nome do Seu Deus. Uma coisa é certa: ao clamarmos com total confiança ao Senhor do universo, o Deus dos Céus e de toda a criação, com certeza, ele nos ouvirá e virá ao nosso encontro com socorro e providência, defendendo os nossos e principalmente aos nossos bebês.

Elcio Nunes

Quer falar com o colunista? Envie e-mail para: [email protected]

PUBLICIDADE

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe