Um grupo de israelenses árabes provocou tumulto devido à passagem do deputado Arieh Eldad, do nacionalista Ichud Leumi (União Nacional), pela cidade árabe de Umm el Fahem, nesta terça-feira, data em que o país realiza eleições parlamentares –os cidadãos elegem membros do Knesset (Parlamento) que, depois, elegerão o novo premiê.

 

Conforme a polícia, o deputado passava pela cidade escoltado por policiais quando cidadãos começaram a atirar pedras. No começo deste mês, Eldad, que é ex-chefe do grupo médico do Exército, foi à mídia com uma cobra nas mãos dizer que, após trabalhar com árabes no Knesset, ele não tinha mais medo.

 

O ativista Baruch Marzel, que atua como observador da eleição e que defende a expulsão de todas as pessoas de origem árabe de Israel, acabou impedido de ir à região.

 

Os israelenses árabes –que somam 20% da população do Estado– ganharam destaque nas eleições desta terça-feira devido à ascensão, em pesquisas de intenção de voto, do direitista Avigdor Lieberman, Yisrael Beitenu (direita), que é acusado de racismo. Entre os projetos do candidato que causam polêmica está o de substituir os árabes, que atualmente são maioria na porção oriental de Jerusalém, por judeus.

 

Mesmo com o tumulto, as eleições são consideradas tranquilas. Os candidatos que estão na frente nas pesquisas, Benjamin Netanyahu, do Likud, e Tzipi Livni, do Kadima, circulam para tentar conquistar os indecisos, na última hora. Nesta segunda-feira (9), a taxa de indecisos era de quase 20% –a maior da história de Israel.

 

"Eu acabei de fazer o que todo cidadão de Israel devia fazer: sair de casa sob chuva ou não, sob frio ou não, ir ao local de votação, entrar na cabine, fechar os olhos e votar", disse Livni, depois de votar, em Tel Aviv.

 

Livni tenta chegar a premiê depois de falhar em negociar um governo de coalizão quando seu colega de partido, Ehud Olmert, renunciou, pressionado por denúncias de corrupção, no ano passado. O fracasso de Livni acarretou nas eleições antecipadas desta terça-feira e manteve Olmert no cargo até a escolha do sucessor.

 

Netanyahu, por sua vez, cresceu nas pesquisas especialmente após a ofensiva militar contra o grupo radical islâmico Hamas, na faixa de Gaza, que matou mais de 1.300 e feriu cerca de 5.000 palestinos. Por isso, ele disse, em entrevista ao jornal "Maariv", que o próximo premiê israelense precisa ter apoio amplo. "Israel não pode suportar crises domésticas supérfluas e uma liderança que é como uma carruagem com cavalos puxando em diferentes direções."

 

De qualquer forma, é pouco provável que o Likud de Netanyahu ou o Kadima de Livni tenham mais de 30 das 120 cadeiras no Parlamento, o que significa que, para serem eleitos premiês, ambos terão de fazer alianças com partidos menores. Um deles é o do ultradireitista Avigdor Lieberman, também candidato a premiê, que votou em um acampamento em Nokdim. "A chuva é uma benção. Israel precisa de muita chuva. Eu acho que as pessoas virão votar mesmo se houver um furacão."

 

Os locais de votação de Israel e territórios abriram às 7h (3h no horário de Brasília) e fecharão às 22h (18h de Brasília).

 

Os resultados oficiais serão divulgados nesta quarta-feira (18), e o Parlamento formado irá assumir, de forma interina, no próximo dia 2 de março.

 

folha online

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

NESTE DOMINGO: Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia

Evo Morales renunciou neste domingo (10) ao cargo de presidente da Bolívia, após uma escalada nas tensões no país. Morales havia dito, mais cedo neste domingo, que convocaria novas eleições,…