As autoridades de transporte dos Estados Unidos afirmaram nesta segunda-feira que investigarão a possível sobrecarga do avião que caiu em Montana, matando 14 pessoas neste domingo, mas destacaram que os resultados podem levar meses para serem revelados.

A Junta Nacional para a Segurança no Transporte (NTSB, na sigla em inglês), que divulgou diversos relatórios ao longo do dia sobre o acidente, disse que o monomotor transportava ontem 14 pessoas, mas provavelmente tinha capacidade para 11, incluindo os dois pilotos.

As vítimas, que partiram de Oroville, Califórnia, se dirigiam a Bozeman, Montana, onde fariam uma excursão de esqui. Do total de mortos, sete eram adultos e sete crianças, informaram hoje a NTSB e a Administração Federal de Aviação (FAA).

A investigação do acidente, que ocorreu quando o avião se aproximava do aeroporto de Butte, em Montana, "levará algum tempo", afirmou durante Mark Rosenker, presidente interino da NTSB.

Ele explicou que a demora nas investigações se deve ao fato de o avião não ter uma caixa-preta – por não ser um voo comercial – e de "não haver sobreviventes para fornecer alguma informação adicional".

"Continuamos a investigação do acidente, documentando os restos do aparelho e provavelmente os transferiremos a um hangar. Tudo está sobre a mesa", disse hoje à Agência Efe Keith Holloway, um porta-voz do NTSB em Butte.

Ele ressaltou que sete investigadores da agência analisam "todas as possíveis causas do acidente".

O avião, um Pilatus PC-12 fabricado em 2001, caiu em um cemitério a apenas 152 metros da pista de aterrissagem do aeroporto Bert Mooney, informou no domingo um porta-voz da FAA, Mike Fergus.

Folha Online

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário