Por pbagora.com.br

A sede da rede de TV venezuelana Globovisión, em Caracas, foi invadida por um grupo de pessoas armadas nesta segunda-feira (3). Cerca de 30 invasores apontaram armas para os seguranças da TV e entraram no local, onde lançaram bombas de gás lacrimogêneo, segundo uma diretora do grupo crítico ao governo do presidente Hugo Chávez, María Fernanda Flores. Uma policial e um vigilante privado ficaram feridos.

O diretor da Globovisión, Alberto Federico Ravell, deu uma declaração em que culpa o governo pelo ocorrido. “Responsabilizamos o presidente. Levaremos as coisas até suas últimas conseqüências”, disse.

“Este atentado já não é contra a liberdade de expressão, é contra a vida das pessoas que estavam trabalhando”, completou.

 

O ministro do Interior da Venezuela, Tareck El Aissami, rechaçou "energicamente"a agressão e anunciou que haverá uma investigação sobre o ocorrido. "Não aceitamos que a violência seja o instrumento mediante o qual se resolvam nossas diferenças. Atuaremos com determinação", disse.

A rede de TV divulgou imagens gravadas pelas câmeras de segurança da sede. Nelas é possível ver que parte dos invasores usa chapéus vermelhos e bandeiras do partido UPV, aliado de Chávez.

A Globovisión enfrenta vários processos, que podem implicar seu fechamento. No último fim de semana, 32 rádios e duas redes locais de televisão foram retiradas do ar por decisão da Comissão Nacional de Telecomunicações, que considerou que elas não cumpriam todos os requisitos da lei para operar. As concessões de outras 200 emissoras estão sendo revisadas.

 

 

G1