Por pbagora.com.br

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, conta com o apoio da comunidade internacional e está com a popularidade em ascensão. Mas não confia na Frente Nacional de Resistência (FNR) para alcançar seu objetivo de voltar ao cargo. Já o presidente de facto do país, Roberto Micheletti, vê sua sustentação empresarial dispersar-se. Mas ainda conta com boa parte do Congresso, com a totalidade da Corte Suprema, com as Forças Armadas e com um camuflado respaldo da Igreja, que o ajuda a ganhar tempo até as eleições presidenciais de 29 de novembro.

Na quarta-feira, espera-se que representantes de Zelaya, de Micheletti e da FNR sentem-se para negociar, sob o amparo de uma missão conduzida pelo secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, para desmontar o governo de facto. Sobre a mesa, entretanto, não estará apenas a rivalidade de dois proprietários de terra e líderes do conservador Partido Liberal pelos próximos três meses na presidência, mas uma possível transformação sem precedentes no pequeno país centro-americano.

"Depois de um acordo, Zelaya e Micheletti serão passado", afirmou o chefe de uma importante missão diplomática em Tegucigalpa. "A reconciliação trará as bases de uma transformação profunda."

Ontem, por meio de seu porta-voz, Carlos Eduardo Reina, Zelaya sugeriu "uma agenda simples" para dialogar. A proposta envolveria a aprovação das mudanças do Acordo de San José (proposto pelo presidente da Costa Rica, Oscar Arias) e o cumprimento de garantias nacionais e internacionais – posições similares às propostas pela OEA. Zelaya também deixou claro que não levará adiante a ideia de convocar a Assembleia Constituinte neste ano, se for reconduzido ao poder. Tal proposta ficaria a cargo de seu sucessor, em 2010.

Isolado fisicamente na embaixada brasileira, Zelaya foi alvo de solidariedade da comunidade internacional, indignada com o golpe de Estado e com o risco de essa receita prosperar na América Latina. Sua popularidade teria subido de 14% antes do golpe para cerca de 25% hoje, segundo pesquisas que alarmaram Micheletti na semana passada. Mas, politicamente, Zelaya também está isolado. Conta apenas com um número limitado de colaboradores fiéis e sabe que não pode se apoiar na FNR para voltar à presidência.

A FNR tornou-se uma força política inédita no país e uma nova fonte de terror para Micheletti. Ela surgiu de movimentos sociais e de direitos humanos em um país onde a renda per capita é de US$ 1.590, a camada dos 10% mais pobres responde por apenas 1,2% da renda e do consumo nacional e a desnutrição atinge 12% da população, segundo o Banco Mundial e a ONU. Tradicionalmente, partidos pequenos da esquerda jamais conseguiram superar 2% dos votos em eleições nacionais. Desta vez, a FNR assusta por contar com 17% de apoio.

Seus principais líderes deixaram antes do golpe que preferiam a deposição do presidente ao abandono do projeto de instaurar uma Assembleia Constituinte. Neste momento, ter Zelaya de volta à presidência tornou-se questão secundária para a FNR, que pode rifar esse apoio em função do objetivo maior de elaborar uma nova Carta em meados de 2010.

Até a semana passada, a FNR tinha mantido quatro reuniões com o governo de facto para negociar essa proposta. Ao listar seus delegados para a mesa de negociação desta semana, Zelaya foi advertido várias vezes dos nomes da FNR que não eram confiáveis.

Ele tampouco pode contar com cinco dos seis candidatos à sua sucessão nem com a Igreja. Segundo observadores diplomáticos, a suposta intermediação do bispo Juan José Pineda, não passa de uma "cínica manobra" para desviar o rumo das negociações.

O governo de facto perdeu o apoio dos empresários, que disseram ser favoráveis ao retorno de Zelaya e timidamente passaram a defender o fim do decreto que impôs o estado de sítio.

A dispersão dos empresários deveu-se a duas razões: o temor da recessão aprofundada pela ausência de ajuda financeira externa e a suspensão da emissão de vistos por Washington, medida que alfinetou os nervos de um setor que costuma viajar até cinco vezes ao ano para os EUA. Assim como o governo de facto, o Congresso e a Corte Suprema, o empresariado continua a justificar o golpe de Estado e a apontar um único erro nesse episódio: a prisão de Zelaya e sua expulsão do país.

"Legalmente, não foi um golpe. Eu e a maioria do empresariado vemos essa crise como um problema interno do Partido Liberal", afirmou Miguel Facussé, presidente da Associação Nacional da Indústria.

Estadão

Notícias relacionadas

Vacinados nos Estados Unidos não precisam mais usar máscaras

Os americanos totalmente vacinados — aqueles que receberam as duas doses do imunizante — contra a covid-19 não precisarão mais usar máscaras ao ar livre ou em locais fechados, anunciou…